Cultura - Música

Hebert Neri fala sobre a importância e os segredos da composição de trilhas sonoras

21 de Setembro de 2019

Assim como os elementos visuais, efeitos especiais e o roteiro, a trilha sonora desempenha um papel importante nas produções de TV, streaming e até mesmo cinema. Com a escolha certa, determinada cena de um filme, série ou novela pode se tornar mais intensa, emocionante e até mesmo empolgante. Por isso, muitas vezes a trilha sonora tem um caráter decisivo para o sucesso de uma obra audiovisual. Trilhas inesquecíveis como a Marcha Imperial em Star Wars, ou a música tema de Harry Potter, feitas pelo compositor John Williams são bons exemplos disto.

Hebert Neri em performance com o violoncello

Hebert Neri, produtor musical, sound designer e compositor de trilhas sonoras para rádio e emissoras de TV, como a Rede Record de Televisão, nos conta que o seu trabalho é crucial para estabelecer um ritmo na narrativa e alcancar o resultado e reação esperada do público: “a importância da trilha sonora na criação da atmosfera em uma produção já é conhecida há bastante tempo. A música incidental tem sido usada desde peças de teatro, mas ganhou mais relevância na época dos antigos filmes mudos, que eram acompanhados de orquestras. A partir da década de 1930, as trilhas sonoras ficaram mais complexas e passaram a ajudar a criar emoções no público, sendo hoje indispensáveis”, compara.

 

Neri também explica o porquê da música conseguir nos afetar tanto: "A ciência já sabe como e porque a música é capaz de nos afetar. Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, descobriram que quando ouvimos uma música, um grupo específico de neurônios do córtex auditivo é ativado. Segundo os especialistas, isso indica que a música é tão importante no desenvolvimento humano quanto a fala, já que possui uma área especializada no cérebro. Logo, não é por acaso que a música possui tanto poder sobre nós. Por isso, a trilha sonora tem o potencial de fazer o público se emocionar, rir e até chorar, e muito mais". 

 

O produtor traz algumas dicas para quem quer começar a produzir trilhas sonoras para suas próprias produções audiovisuais ou ingressar em uma carreira como compositor e produtor de soundtracks. Confira:

Hebert Neri e o engenheiro de áudio Serginho Charantola
Foto: Reprodução / Instagram

1 – Tenha em mente o que será estabelecido pela obra

Inicie o seu processo de criação com o pensamento na atmosfera, no clima que pretende ser estabelecido pela obra audiovisual. Analise os motivos da existência daquela determinada cena, e imagine qual o ritmo, andamento e instrumentos a trilha deve ter.

2 – Saiba emocionar e atingir o seu público

Ao definir quem será o seu público alvo, isso torna o trabalho de criação mais simples e direcionado. Pensar com a cabeça do seu potencial ouvinte é importante para ir por caminhos melódicos, harmônicos e de arranjo que não apenas se enquadrem na proposta artística, mas também tenham o poder de comunicar diretamente com as pessoas, emocioná-las e fazer a conexão entre o visual e o auditivo. O bom compositor de trilhas sonoras é aquele que consegue, muitas vezes sem palavras, transmitir ao público a dose certa de emoção que certa cena, ou personagem ou situação pede.

 

Biblioteca de samples para Kontakt

3 – Bibliotecas de instrumentos virtuais podem ajudar no processo

Muitas vezes durante a pré produção, que é aquela fase em que montamos o arranjo no computador antes de levar a trilha para estúdio e gravar com músicos reais, ter a mão bibliotecas (samples) de instrumentos pode ser muito útil, para se ter uma prévia do resultado final.

O MIDI mudou para sempre a forma que produzimos e tocamos música, tornando possíveis coisas que anos atrás só se podiam imaginar. Programas como o Kontakt, Serum, Sylenth1, Omnisphere, MainStage (EXS24, Retro Synth, VintageB3, etc), usados para edição e gerenciamento de amostras de som, surpreendem por permitirem a adição e uso de bibliotecas com amostras de som cada vez mais realistas. Hoje alcançamos uma qualidade excepcional com estas ferramentas e podemos usá-las de forma simples e prática não apenas durante a pré produção, mas até mesmo para chegar ao produto final. 

Por exemplo: uso varias bibliotecas como a Keyscape, Cinematic Instruments, Red Pianos, Perfect Pianos 2, Peter James Ambient Pads, Majestica, Vienna Symphonic, The Giant, The Grandeur, e uma infinidade de tantas outras, obtendo resultados impressionantes.

 

Screenshot de sessão do Logic Pro X

5 – Use softwares e a tecnologia para garantir um bom resultado 

Há cada vez mais tipos de aplicativos e softwares diferentes para te auxiliar na composição e edição do seu conteúdo. As chamadas DAW (Digital Audio Workstation) como o Adobe AuditionPro Tools, Logic Pro X (minha favorita atualmente) ajudam a compor sua trilha de uma maneira mais profissional e fornecem poderosas ferramentas de edição.

Mas se você está começando e procura algo mais simples, existem também o Garage Band, que simula vários instrumentos, como piano, guitarra, baixo e bateria (disponível para Mac, iPhone e iPad); O Amplitube, um simulador com efeitos para guitarra e baixo (disponível para Android) e o Sampletank.

6 – Nunca despreze uma ideia

Ideias podem surgir nos momentos mais inusitados, por isso deixe-as fluirem. Muitas vezes já me peguei assobiando algo que depois virou a melodia de uma trilha sonora, e tudo aparentemente ao mais perfeito acaso. Nunca despreze uma ideia que surge inocentemente. Tenha a mão o seu smartphone e instale o app de gravação (que em alguns modelos já vem instalado nativamente).

Confira algumas das trilhas sonoras de cinema preferidas de Hebert Neri:

1- Once Upon a Time in The West Theme

2- Star Wars- The Imperial March (Darth Vader's Theme)

3- Pulp Fiction - Misirlou

4- Forrest Gump Suite

5- O Último dos Moicanos - The Kiss

6 - Kill Bill - Twisted Nerve

7 - Harry Potter - Hedwig's Theme

8 - Missão Impossível - Mission Impossible Theme

9 - O Poderoso Chefão - The Godfather - Love Theme

10- Chariots of Fire - Main Theme

Comentários
Assista ao vídeo