Colaboradores - Tânia Voss

Adriana Calcanhoto retorna ao Brasil e emociona com sua diversidade cultural

10 de Setembro de 2018

Final de semana abençoando a cidade de São Paulo, com suas canções. Adriana Calcanhoto voltou a terrinha para mostrar sua mais nova diversidade, brasilidade misturada a cultura portuguesa. "A Mulher do Pau Brasil",o show que estreou em Portugal e, desde agosto, percorre as principais cidades do Brasil. Ela acaba de apresentar três super shows para a alegria dos fãs paulistanos, no Teatro Paulo Autran, Sesc Pinheiros, em São Paulo. Visual e palco com iluminação nas cores preto e vermelho. Simples e luxuoso.

Curioso que, esse novo show foi idealizado como “concerto-tese”, ou seja, uma conclusão da residência artística de Adriana Calcanhoto na Universidade de Coimbra, onde esteve nos últimos dois anos entre cursos e apresentações.

Mas com o imenso sucesso, gerou uma turnê, que começou pela Europa, e agora chegou ao Brasil. Com um riquíssimo repertório, a cantora agradou e não parou mais. Acompanhada por Bem Gil e Bruno di Lullo, Adriana elaborou um roteiro com músicas compostas durante sua estada no país lusitano; releituras (a exemplo da recente ‘As Caravanas’, de Chico Buarque), além dos seus já conhecidos clássicos como ‘Inverno’, ‘Vambora’, ‘Esquadros’ e etc.

A inédita canção-título abriu o show em tom autobiográfico (‘Nasceu no Sul / Foi para o Rio / E amou como nunca se viu’) e também retomou o nome de um espetáculo do início da carreira de Adriana (‘A Mulher do Pau Brasil’), ainda em Porto Alegre nos anos 80. Foi quando começou a ser instigada pelo ‘Manifesto da Poesia Pau Brasil’, do modernista Oswald de Andrade e toda a sua influência no movimento tropicalista décadas depois. Tais temas sempre estiveram presentes em sua obra e ressurgiram com intensidade no período português.

Não é à toa que ‘Vamos Comer Caetano’, composta para o disco ‘Maritmo’ (1998), foi retomada no repertório e sublinha o conceito antropofágico da apresentação, através da ideia de devorar, se apropriar e reinventar a informação que vem de fora.

“Costumavam me perguntar se eu já tinha virado portuguesa e eu sempre respondia que não. Nunca me senti tão brasileira como agora”, conta Adriana, que foi nomeada Embaixadora da Língua Portuguesa da Universidade de Coimbra no final de 2015. Chiquérrimo.

 Sempre inovando, irreverente e muito poética, a artista, considerada uma das Divas da MPB, arrancou gritos e sussurros, matando a saudade dos fãs brasileiros. O DJ Zé Pedro fez questão de rever a amiga e marcou presença neste domingo.

Momento marcante que tocou a todos, ocorreu no Bis do show, quando a cantora saiu do palco do teatro, após cantar a última música, e na escuridão, todo o público de pé cantou a capela o sucesso de Adriana, "Vambora", e a artista voltou muito emocionada e agradecida. Cantou mais três canções. Arrepiou.

Fotos: Tânia Voss

Comentários
Programa Compartilha Brasil