Colunistas - André Garcia

Onde ficar em Ribeirão Preto?

27 de Agosto de 2018

Fique onde motociclista é bem atendido

Linda e doce Ribeirão Preto vista do 15º andar do Mont Blanc Premium. Foto: André Garcia

Breve histórico

Tudo começou por volta de 1810, quando mineiros desbravaram a região para cultivar café na modalidade de agricultura de subsistência. Estabelecidos como fazendeiros, doaram terras para criação do patrimônio de São Sebastião com a finalidade de manter uma capela em honra ao santo, cumprindo exigências da Lei da Terra para legalizar suas glebas.

O nome Ribeirão Preto vem do córrego que atravessa a cidade, chamado de Preto. E seu patrono São Sebastião.

Mas, foi em 1870 que a cafeicultura se tornou responsável pelo grande desenvolvimento da cidade, tornando-a capital mundial do café. já que quase toda sua produção tinha como destino certo, a Europa que apreciava a espécie cultivada Bourbon.

O café impulsionou a economia de tal forma, que motivou a vinda da Estação Companhia Mogiana de Estrada de Ferro em 1883, para transporte de imigrantes que chegavam em Santos e, na volta, escoava a produção agrícola. A demanda por mão de obra fez com que Ribeirão Preto se tornasse destino certo para italianos, japoneses e alemães.

Ribeirão Preto está sobre o Aquífero Guarani, água de excelente qualidade que em 1910 teve instalada a Companhia Cervejaria Paulista, iniciando novo ciclo de prosperidade com a industrialização.

A água é o principal ingrediente do produto que iria projetar Ribeirão Preto novamente no cenário nacional, a cerveja. A fábrica inaugurou a Choperia Pinguim, frequentada pela elite do café e que continua atração para os turistas até hoje.

De UBER fui conhecer cervejaria artesanal. 1 hora de fila, mas vale muito esperar. Foto: André Garcia

Mesmo com o fechamento da Cervejaria Paulista, a cerveja continua sendo uma das vedetes da cidade com a abertura de diversas cervejarias artesanais que fabricam produtos de excelente qualidade, devido a qualidade do principal ingrediente: água. 

Com a crise mundial de 1929, o ciclo do café acabou, mas Ribierão Preto continuou a prosperar com outras culturas como algodão e frutas.

Mas na década de 1940 a principal cultura era cana-de-açúcar e em 1960 a maior produtora mundial.

Com a criação do Proálcool - Programa Nacional do Álcool (1975 à 1989) surgiram várias destilarias e usinas para o beneficiamento da cana.

Segundo “Agrolink”, entre as 10 maiores usinas do Brasil, seis são da região. Entre as 50 maiores, são 19; e entre as 100 maiores, 28. Ribeirão Preto mantém liderança histórica, mesmo com a expansão da cana em outras áreas do país.

Mas essa expansão se dá em outros ramos da economia como prestação de serviços.

Além de concessionárias de carros e motos de diversas marcas, incluindo aquelas consideradas premium, a cidade conta com uma rede hoteleira que nada deve a capital São Paulo.

Entrada do hotel com recuo que é possível deixar veículos estacionados. Foto: André Garcia

Onde se hospedar?

Na semana de 12 a 19 de agosto, realizei uma série de eventos em Matão e Ribeirão Preto, dos quais os últimos 5 dias na Califórnia brasileira, termo dado na década de 80, em matéria no Jornal do Brasil por Ricardo Kotscho.

Coincidentemente há exatos 2 anos, na cidade fiquei hospedado no Garden Hotel que já considero superior aos concorrentes de sua categoria e também faz parte do grupo Le Privilège, que administra quatro empreendimentos hoteleiros na região.

Desta vez, fiquei no único 5 estrelas da região, Mont Blanc, que é impecável.

Visão noturna é deslumbrante. Foto: André Garcia

Explico o termo impecável: tenho rodado todo Estado de São Paulo levando o Projeto Motociclismo com Segurança, dado assinatura de parceria com o Centro Paula Souza. Minha estadia em Matão se deu para atender a ETEC da cidade, já em Ribeirão Preto foi para atender empresa que busca aumentar a segurança de seus funcionários durante o trajeto “trabalho-casa-trabalho” com o veículo de duas rodas.  Leia aqui sobre o patrocínio da Yamaha.

Tenho me hospedado em vários hotéis, às vezes em motéis e noto uma certa repugnância, uma certa má vontade, para com o motociclista, especialmente quando está bem carregado com malas, top case, mochila, além de todo equipamento necessário para se pilotar com segurança.

Mimos de boa noite! Foto: André Garcia

Eis que, de pronto, um colaborador do Mont Blanc já se postou com carrinho ao lado da moto na entrada do saguão, aguardando eu retirar tudo da motocicleta,com todo cuidado já carregou e aguardou eu fazer o check-in. Me acompanhou até o quarto e dispôs tudo, com todo carinho.

Viajando à dias, nesse monta e desmonta, palestras, escrever...você talvez não tenha ideia do que isso representa. Mesmo em hoteis de R$ 200 a diária, não fui recebido com tanto carinho e profissionalismo. É desolador, cansado, ter que carregar tudo sozinho para seu quarto, muitas vezes sendo observado pelos funcionários do hotel.

Yamaha Tracer sempre carregada. Toda ajuda em hotel é bem vindo. Foto: André Garcia

A suíte  que fiquei no 15º andar, tem dois ambientes, sendo possível instalar o notebook na sala ou no quarto. Fui para o banho e a ducha….ah a ducha...só tomando um banho para sentir a pressão e arrancar a poeira e cansaço da estrada. Toalha, roupão, amenidades ...tudo perfeito.

O serviço de restaurante seja no café da manhã, almoço ou jantar são perfeitos. Por ser celíaco, até a tapioca foi preparada exatamente como pedido e que faço diariamente.

Nas idas e vindas, perdi uma luva. O comprometimento foi tanto, que fiz questão em presentea-lo com um boné Yamaha

Se quiser ficar pelo quarto e jantar por lá, o serviço é extremamente competente.

Além do café da manhã que é excepcional, recomendo o caldo de mandioquinha com carne seca. Simplesmente um manjar dos Deuses.Aprecio muito caldos para jantar.

Estacionamento tem a opção de guardar o veículo na garagem, arcando com o custo diário, já que é uma empresa terceirizada, ou deixando no recuo em frente ao hotel sem custo, muito honesto, que é o que fiz com minha Yamaha MT-09 Tracer.

O Mont Blanc ainda conta com academia que consegui usar uma vez, piscina com bar, excelente para um happy hour e diversas salas para convenções.

Motociclista merece ser bem recebido, bem acomodado e ter uma estadia que lhe devolva as energias, seja quando está a trabalho, como no caso deste que vos escreve, ou a passeio. Se a passeio e com sua esposa ou namorada, vale cada centavo. Certamente, vai pintar uma nova Lua de Mel.

Durante treinamento em empresa multinacional na cidade. Quase 100 funcionários participaram

A estadia foi tão boa, o quarto é tão silencioso, que pude trabalhar bastante e gerei uma matéria que, literalmente, bombou no R7 e nas redes sociais, se quiser click aqui para ler.

Ainda participei do Compartilha Brasil, click aqui para ver,  e dei uma entrevista ao Rodrigo Pagliani para o Balanço Geral da Rede Record, click aqui para ver.

Participei do Compartilha Brasil com Rodrigo Pagliani e Godi Jr.

Vai para Ribeirão Preto, se pensar pelo custo-benefício: experimente! A comodidade, serviço e conforto vai recarregar suas energias. As vezes, falar em acomodação 5 estrelas assusta, mas se comparar, verá que por pouco a mais, o retorno que você terá é compensado.

Comentários
Programa Compartilha Brasil