Colunistas - Rodolfo Bonventti

A novela em que Sonia Braga e Tony Ramos pareciam Tom & Jerry

16 de Agosto de 2018

Ambientada na cidade do Rio de Janeiro, “Chega Mais” foi a única experiência do cronista e escritor Carlos Eduardo Novaes como autor de uma novela global, aqui com a supervisão de texto de Wálter Negrão.

A novela estreou em março de 1980 no horário das 19h, dirigida por Gonzaga Blota e Wálter Campos e reunindo Sonia Braga como a ricaça Gelly e Tony Ramos como o irreverente e brincalhão Tom.

E a história tinha tudo a ver com a dupla Tom e Jerry, famosa por passar brigando o tempo todo nos desenhos animados. Na verdade, Sonia Braga e Tony Ramos viviam às turras a novela toda, embora um não conseguisse viver sem o outro por perto.

Com um humor crítico apurado, “Chega Mais” foi considerada pelos críticos de TV como uma antinovela, mas não agradou o público como a TV Globo esperava, embora Sonia e Tony estivessem muito bem nos seus papéis.

Ao sabor da música tema de Rita Lee, que tinha o mesmo nome da novela, Tom e Gelly surpreenderam no primeiro capítulo que foi bastante agitado e prometia muito no decorrer da trama, mas a novela não segurou o público e não repetiu o sucesso de sua antecessora, “Marron Glacê”.

A novela marcou a despedida de Sonia Braga das novelas brasileiras, já que a atriz foi tentar carreira internacional nos Estados Unidos, só voltando a nossa TV mais de dezoito anos depois.

Osmar Prado como o músico baiano Amaro e Renata Sorrah como a jornalista independente Lúcia foram outro casal de destaque da trama, que também marcou a estréia de Daniel Dantas nas novelas como o preguiçoso e supersticioso Tatá.

Um grande elenco com mais de 40 atores participou da trama que ficou seis meses no ar. Além dos já citados, destaque também para Rosamaria Murtinho, Roberto Bonfim, Cláudio Correa e Castro, Gilberto Martinho, Renata Fronzi, José Augusto Branco, Christiane Torloni, Felipe Carone, Nádia Lippi, Ney Sant’anna, Ruy Rezende, Gracinda Freire, Elza Gomes, Reynaldo Gonzaga e Henriqueta Brieba.  

Comentários
Programa Compartilha Brasil