Colaboradores - Lica Gimenes

Novela da Globo traz à tona discussão sobre inseminação artificial com sêmen de doador

6 de Agosto de 2018

Na novela Segundo Sol, exibida pela Rede Globo, o público foi surpreendido com a gravidez da personagem Maura por meio de uma inseminação artificial com sêmen doado pelo amigo, o personagem Ionan. Assim como Maura, muitas mulheres sonham em vivenciar o processo de uma gravidez junto com suas parceiras ou até mesmo sozinhas, sem um companheiro.

“Uma maneira de conseguir transformar esse sonho em realidade é por meio da inseminação intrauterina realizada com sêmen proveniente de um Banco de Sêmen”, explica o médico Jorge Barreto, especialista em reprodução humana assistida e diretor do Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto (CEFERP).

De acordo com ele, a utilização do sêmen de doador é segura, já que os Bancos de Sêmen possuem procedimentos rigorosos para a triagem e escolha dos doadores. “Todos devem ser jovens, saudáveis e com ótima qualidade seminal. Além disso, a doação é anônima e sem fins lucrativos e o sêmen pode ser utilizado para todos os procedimentos”, comenta.

Ao optar por um doador do Banco de Sêmen, a paciente receberá uma lista com a descrição de uma série de características físicas, como a cor da pele e dos olhos, do doador da amostra que será utilizada na inseminação intrauterina, além de informações como profissão, religião e hobbies.

Jorge Barreto
 

“Grandes Bancos de Sêmen internacionais ainda oferecem outros diferenciais, como a possibilidade de a paciente ter acesso a fotos de infância, áudio de entrevistas, histórico familiar, teste de personalidade e até mesmo redações e textos dos doadores”, afirma Barreto.

O Brasil é um dos países que mais importam sêmen de bancos dos Estados Unidos. Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostram que nos últimos cinco anos, as importações cresceram cerca de 2.500%.

Inseminação intrauterina com sêmen doado

Após a escolha da amostra de sêmen de doador, o Banco de Sêmen enviará a amostra criopreservada à clínica de fertilização, que irá descongelá-la para processar e selecionar os espermatozoides, buscando encontrar os que possuem melhor qualidade.

Quando os espermatozoides estiverem preparados, a inseminação será realizada por meio de um cateter fino (onde estará o sêmen e um líquido especial que o mantém), introduzido até o útero. “Após a inseminação, a paciente deverá iniciar o uso de outro medicamento por via oral ou vaginal que será mantido até a oitava semana de gestação”, explica Barreto.

As taxas de sucesso do ciclo de inseminação intrauterina giram em torno de 10% a 15%, sendo cumulativas e podendo chegar a 32% em três ciclos.

Comentários
Programa Compartilha Brasil