Cultura - Música

Cantora Marcia Mah se apresenta no Teatro de Contêiner Mungunzá

22 de Junho de 2018

O atual trabalho da multiartista Marcia Mah se torna um reflexo. Por sinal, um amplo reflexo sobre sua carreira marcada pelo encontro e pela diversidade de gêneros musicais.

Dessas combinações e experimentos musicais, nasce o projeto Prismah – um olhar sobre o corpo da voz, contemplado pelo Prêmio ProAC Circulação de Espetáculos de Música Popular no Estado de São Paulo. A artista se apresenta dia 23 de junho, sábado, às 19h, no Teatro de Contêiner Mungunzá.

“Procurei expressar as diferentes sensações que o canto me provoca, a começar pelas imagens que evocam na relação que tenho com os timbres ligando cores à emoção. O desdobramento teórico que cada tema envolveu fez desse trabalho um aprendizado ao observar sobre diferentes ângulos que a voz cantada revela uma variedade de significados sobre o tempo e o espaço de quem a expressa. Cantar nos faz conhecer o mundo e a si mesmo”, destaca Marcia.

Todo processo de criação parte da ideia do Eu Lírico, em que a voz assume uma função poética de síntese entre pensamento e emoção e o corpo como instrumento passa a ser espaço de memória. Influenciada por artistas que rompem com a canção convencional e performam com outras linguagens cênicas, Marcia Mah aborda temas como a passagem do tempo sobre o amor romântico, a conexão com a mística, os signos da palavra e a extensão da máquina na expressão humana.

Inspirado no DVD homônimo, o show Prismah traz ao palco Marcia Mah (vocal) na companhia de Bruno Cavalcante (guitarra), Luiz Antony (baixo e violoncelo) e Marcos Correa (bateria). O quarteto mistura elementos eletrônicos à instrumentação acústica, potencializando o conceito experimental da proposta do espetáculo, que ainda conta com imagens do VJ Teo Ponciano.

O novo álbum Prismah parece ser uma espécie de arqueologia autobiográfica na qual o universal e o local, o indivíduo e o coletivo, o micro e o macro detonam as polaridades e fazem síntese numa experiência sonora e visual.

Comentários
Programa Compartilha Brasil