Colunistas - Rodolfo Bonventti

O ator dos personagens misteriosos

15 de Maio de 2018

O paulistano Carlos Augusto Strazzer foi um dos mais importantes atores das nossas telenovelas nos anos 70 e 80, tendo trabalhado primeiro na TV Record e depois na Tupi, onde se transformou em um dos seus principais galãs, passando ainda com destaque pela TV Globo, Manchete e Bandeirantes.

O começo foi na TV Record onde ele estreou, em 1970, já chamando a atenção de todos com o personagem Manuel do Alpendre na novela “As Pupilas do Senhor Reitor”, um grande sucesso da emissora na época.

Strazzer ainda faria mais uma novela na Record antes de ir para a TV Tupi, onde estreou em 1972, fez seis novelas e foi guindado ao posto de um dos principais galãs da emissora.

Foi com trabalhos marcantes na emissora paulista como o Carlos, filho mais velho de dona Lola, em “Éramos Seis”; o Daniel de “O Profeta” e o Albertinho Limonta da versão de 1978 de “O Direito de Nascer”, que ele ficou nacionalmente conhecido e carimbou seu passaporte para a TV Globo, para onde foi em 1980, estreando em “Coração Alado” de Janete Clair.

Na TV Globo o ator participou de seis novelas e duas minisséries, com destaque para o Ronaldo de “Champagne” em 1983; o estranho Argemiro de “Mandala” em 1987 e o Crespy de “Que Rei Sou Eu?” de 1989. Também teve grande repercussão o Peçanha da minissérie “O Sorriso do Lagarto”, seu último trabalho na TV, em 1991.

 

O ator também marcou presença no teatro em peças como “O Balcão”; “A Moratória”; “Ligações Perigosas” e “Evita”, espetáculo no qual viveu Che Guevara.

 

No cinema ele esteve com destaque em “Gaijin, os Caminhos da Liberdade”; “Eles não usam Black-Tie” e “Com Licença Eu Vou À Luta” fazendo o par central com Fernanda Torres.

 

Carlos Augusto Strazzer ficou gravado na cabeça dos telespectadores, pelos galãs que fez nas novelas da TV Tupi e pelos vilões e personagens misteriosos e místicos que defendeu nas novelas e minisséries da TV Globo. Em todos eles, o talento de um ator que foi várias vezes premiado pelos seus trabalhos.

O ator também teve uma passagem rápida pela TV Manchete, onde em 1986 fez parte do elenco da novela “Mania de Querer” e pela TV Bandeirantes, onde viveu Habib, o principal personagem da minissérie “O Cometa”, exibida em 1989.

Strazzer nos deixou muito cedo, com apenas 46 anos de idade, e foi mais um dos artistas vítimas da AIDS, nos anos 90. Mas deixou um legado como um dos mais completos atores que as nossas novelas e os nossos palcos apresentaram nos anos 70 e 80. 

Comentários
Programa Compartilha Brasil