Viver - Saúde

Exame de Ressonância Magnética exige cuidados especiais

13 de Abril de 2018

A ressonância magnética foi usada pela primeira vez para fins diagnósticos nos anos 1970, e desde então promove uma revolução na medicina diagnóstica ao permitir a análise de tecidos e órgãos sem necessidade de cirurgia.

O procedimento pode diagnosticar diferentes doenças, como esclerose múltipla, câncer, infartos, fraturas e infecções. Além disso, detectam tendinites, hérnias de disco e lesões de ligamento.

Sala para exames de ressonância magnética do Hospital São Luiz
Foto: Décio Goldemberg

No entanto, não é todo mundo que pode se submeter a esse tipo de exame. Pacientes que sofrem de doenças crônicas nos rins podem ter complicações com o meio de contraste e quem tem implantes metálicos no corpo, como marca-passo cardíaco ou prótese auditiva, precisa se informar para saber se o dispositivo não será afetado pelo campo magnético gerado pelo aparelho.

A presença de qualquer objeto metálico próximo a máquina do exame é muito perigoso, isso porque as máquinas de ressonância magnética funcionam por meio de imãs e ondas de rádio extremamente potentes que digitalizam o corpo e dão uma imagem de tecido interno.

Quando uma máquina está ligada, todos os objetos metálicos devem ser mantidos afastados. Até mesmo tatuagens devem ser avaliadas antes que o paciente seja submetido à ressonância, porque algumas tintas contêm ferro.

Enfim, pessoas claustrofóbicas ou que sofram de doenças que as impeçam de permanecer quietas também podem abalar os resultados e, em alguns casos, a sedação é necessária.

Jornalista Zacarias Pagnanelli em exames periódicos no Hospital São Luiz, auxiliado pela enfermeira Flávia de Camargo Xavier.
Foto: Décio Goldemberg

Hoje, a ressonância magnética é a melhor técnica disponível no Brasil para diagnóstico de várias doenças nas diferentes especialidades médicas, por exemplo na oncologia, cardiologia, ortopedia e neurologia.

Veja abaixo galeria de imagens de exame realizado no Hospital São Luiz, em São Paulo.

Comentários
Programa Compartilha Brasil