Colunistas - Bem Estar e Saúde

Hérnia de Disco: A doença que todo mundo acha que tem

12 de Abril de 2018

Falta de entendimento, diagnóstico errado e atrogenia, está criando uma geração “adoentada”. 

 

O discurso é bastante comum. Basta sentir dores na região lombar que o paciente já se caracteriza como mais um portador de hérnia de disco, limitando sua vida com base nisso. O indício de dores em determinadas regiões faz com que o paciente acredite ser uma doença específica, e que na verdade e na maioria dos casos, pode ser decorrente de diversos outros problemas, as vezes mais simples, as vezes mais graves. Por essa razão, é imprescindível a avaliação correta de uma profissional, somada a exames mais específicos.

 

De acordo com o fisioterapeuta e diretor do ITC Vertebral Guarulhos, Dr. Bernardo Sampaio, é comum receber pessoas que se autodiagnosticam com a hérnia. “Diariamente chegam pacientes que afirmam ter hérnia de disco por conta de fortes dores na região, parecidas com a que um amigo que tem a patologia sente. Mas logo após uma avaliação, percebe-se que não existem sinais da doença, apenas dores lombares causadas por atividades cotidianas feitas de forma inadequada e a solução está em um tratamento simples” – afirma o fisioterapeuta.

 

Isso não quer dizer que uma dor na coluna deva ser ignorada, pelo contrário, dores na coluna precisam de atenção e cuidados para que não evoluam para condições mais limitantes e de diferentes gravidades.

 

Dependendo do estágio da ruptura do material fibrocartilaginoso, a hérnia de disco pode ser considerada grave, por isso, antes de se auto intitular “portador” é preciso conhecer os seus sintomas, como: persistência da dor por um tempo prolongado;  piora considerável da dor em atividades simples do dia a dia; formigamentos e dormências nos membros inferiores ou superiores; perda de controle da bexiga ou do intestino; sensação  de pernas ou os braços pesados e sem força, além de dores de cabeça associadas a dores na região da nuca e que se prolongam para os ombros. Salvo as exceções de pacientes assintomáticos.

 

A classificação didática para os estágios da evolução ou regressão. Sim; regressão das hérnias de disco pode não estar associada aos sintomas apresentados para o paciente. De forma que, em casos onde o tamanho da hérnia é significativo, pode haver menos sintomas do que em uma pessoa que apresente uma hérnia maior (em exames de imagem). Inclusive, existem muitos casos onde a pessoa apresenta uma herniação na imagem e não tem sintomas, portanto, associar os sintomas somente com a presença de hérnia de disco pode ser um diagnóstico equivocado.

 

Outros falsos diagnósticos também podem surgir por overdiagnosis (excesso de diagnósticos) e pela má interpretação de exames laboratoriais. O ideal é que o paciente procure um fisioterapeuta para uma avaliação funcional completa, com uma avaliação clínica criteriosa, onde o profissional examina a região e faz perguntas cruciais, além de ressonância magnética que é capaz de dizer se o estágio da ruptura do material fibrocartilaginoso tem relação com os sintomas atuais e somada a outros sintomas de ordem neurológica, é detectada ou não, verdadeiramente a hérnia.

 

“O fato é, muita gente afirma ter, mas não tem. E isso é ótimo! Sofrer com a hérnia de disco não é tão fácil quanto parece e requer tratamento e dedicação para uma boa recuperação. A melhor forma de se livrar dessa desconfiança é procurar profissionais que avaliem de forma correta e tomem as providências necessárias” - resume.

 

É importante salientar que existe tratamento e que apesar de ocasionar limitação funcional (por um período), isso não é o fim do mundo, pois a hérnia de disco não é uma patologia grave, mas sim, uma condição.

Comentários
Programa Compartilha Brasil