Quarta-Feira | 7 de Fevereiro de 2018 | 14h57

Prisão de ventre: como prevenir, cuidar, sintomas, fatores de risco e prática bioortomolecular

Foto: Divulgação 

Grande parte da população sofre com constipação intestinal, mais popularmente conhecida como prisão de ventre. As mulheres, ainda, sofrem mais com esse problema que os homens.
A prisão de ventre é definida como sendo a dificuldade para evacuar, geralmente associada a fezes endurecidas, assim ela provoca um movimento mais lento que o normal de resíduos alimentares através do trato digestório.  Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais considera que uma pessoa está com prisão de ventre quando ela produz menos de evacuações por semana, ou tem movimentos intestinais duros, secos ou pequenos e são dolorosos de passar pela parte do gastrointestinal.
O Nutrólogo e percursor da prática bioortomolecular no Brasil Dr. J. Bussade, afirma que a prisão de ventre é causada geralmente por uma combinação de três fatores: “O que leva a prisão de ventre a junção de uma dieta inadequada e pobres em fibras e nutrientes além de rica em alimentos industrializados e açúcares, sedentarismo e estresse. Além disso, medicamentos como antidepressivos, por exemplo, causam o problema. A falta de magnésio também é um causador, pois magnésio tem entre suas funções melhorar o estresse” afirma.
 
Sintomas
 
São vários os sintomas da prisão de ventre como produzir evacuações menores que o normal, no entanto, é importante ressaltar que esse processo varia de pessoa, é necessário que cada pessoa conheça seu próprio corpo e note quais sua frequência no banheiro e se está diminuindo ou mudando. Outros sintomas são a dificuldade ou dores para evacuar, inchaços e gases.
 
Prevenção
 
Dr, J. Bussade lembra que a medicina preventiva é mais importante até mesmo que a medicina para cura, por isso, assim como para qualquer doença, a prevenção é essencial para a prisão de ventre. “Consumir muita água e muitas fibras, verduras e vegetais que são ricos em magnésio, frutas e cereais integrais. O limão melhora muito o processo digestório. É importante ressaltar que ao utilizar fibras é muito importante consumir bastante agua, pois o contrario irá reverter o quadro”, são algumas dicas do Nutrólogo Dr. J. Bussade.
Além disso, é importante evitar álcool, açúcares pois prende o intestino, cereais adoçados, fast food, carnes processadas, alimentos industrializados e congelados, leites, glúten e farinha refinada.
Outra forma de evitar a prisão de ventre é aumentar atividades físicas, controlar e administrar o estresse, até mesmo uma caminhada já ajuda.
 
Fatores de risco
Entre os fatores de risco para a prisão de ventre estão as doenças crônicas, doenças inflamatórias, principalmente no intestino, como a Doença de Cromo, cada vez mais comum atualmente.
Quando uma pessoa não vai ao banheiro se acumula de 2 a 10 quilos de fezes em seu intestino grosso, o que é perigoso para a saúde podendo levar até mesmo a causar câncer. Por isso é preciso fazer uma desintoxicação intestinal.
 
Prática Bioortomolecular
 
Dr, J. Bussade afirma que a prática bioortomolecular ajuda com o problema primeiramente evitando a disbiose intestinal, que é o aumento de bactérias ruins no corpo. Por isso, é importante usar alimentos mais naturais e evitar industrializados. A prática bioortomolecular irá trabalhar na desintoxicação intestinal. A desintoxicação intestinal pode ser feita com pode ser feita com aparelhos como a hidrocoloterapia a cada dois ou três meses.
Alternativas a esse aparelho pode ser feita a ingestão de alimentos e minerais que são agentes antioxidantes como o coentro, pimenta preta, orégano, cúrcuma, melão de São-Caetano, aloe-vera, babosa, entre outros. Além disso, existe o MSN, um aminoácido enxofrado, que pode ser usado em comprimido ou capsula e é um ótimo antioxidante.

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.