Segunda-Feira | 8 de Janeiro de 2018 | 12h7

Ortopedia é a especialidade com maior disparidade de gênero

Em recente newsletter sobre o crescimento da participação do sexo feminino na área da Ortopedia, a SICOT – Societé Internationale de Chirurgie Orthopédique et de Traumatologie – publicou o depoimento da presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOT, Patrícia Fucs, ao lado de artigos sobre ortopedistas da Colômbia, Suécia, Nigéria e do Reino Unido, além de um artigo que questiona porque, no campo da Medicina, a Cirurgia Ortopédica é a especialidade com maior disparidade de gênero, no mundo inteiro.

Patrícia Fucs
Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em seu depoimento, encaminhado a todos os associados da SICOT, Patrícia explica a importância da SBOT, “uma das mais antigas sociedades ortopédicas mundiais, com 12 mil membros” e que é suplantada em número de associados apenas pela AAOS e pela EFORT. Ela destaca ainda sua importância na educação médica e nas campanhas pela saúde pública.

A presidente da SBOT ressalta igualmente os desafios de dirigir uma sociedade de especialidade num País de imensa dimensão territorial, no qual há diferenças extremas tanto no âmbito cultural como material. “A infraestrutura de um grande hospital nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro ou São Paulo tem pouco a ver com a realidade do ortopedista que trabalha na Amazônia”, diz ela.

Como exemplo das imensas dificuldades enfrentadas pelos ortopedistas que trabalham nas cidades mais distantes dos grandes centros, a presidente da SBOT lembra um caso recente, de um paciente com fratura da pelve que foi estabilizado, colocado numa canoa e transportado para ser operado num hospital de Manaus, onde só chegou após 21 dias de viagem, por rio.

Os outros depoimentos são tão dramáticos como o da ortopedista brasileira. Amparo Gómes, da Colômbia, conta que ao se titular como ortopedista em 1990, só havia uma ortopedista pediátrica e uma R4 de Ortopedia na Colômbia. Face Amaraegbulam, da Nigéria, relata que dos 400 cirurgiões ortopédicos do País, só 4 são mulheres, uma das quais preferiu trabalhar fora da Nigéria.

A melhor situação parece ser da Suécia, pois Anna Ekman conta que dos 2.267 ortopedistas suecos, 288 são mulheres, o que corresponde a 13%. Mesmo na Inglaterra, Emma Taylor relata que o avanço é lento, mas constante, pois hoje o Royal College of Surgeons tem 11% de mulheres, uma grande evolução perto dos 3% que havia em 1991.

Já Ruiba Jamallail, da Arábia Saudita, relata a luta contra os antifeministas, como um paciente com o cotovelo deslocado, que antes mesmo de ser atendido, gritou que uma mulher seria incapaz de resolver seu problema e exigia um ortopedista homem. “Apesar disso, hoje há 32 residentes de Ortopedia, no meu país”.

O depoimento da norte-americana Emily Miller demonstra a dificuldade das mulheres de se impor em uma carreira majoritariamente masculina. Ela afirma que embora 30% dos médicos do país sejam mulheres, as cirurgiãs ortopedistas representam apenas 5% da especialidade, “o maior desequilíbrio homem/mulher no campo da medicina”, já que entre os urologistas as especialistas representam 8% e entre os neurocirurgiões, as mulheres chegaram a 7,8% do total. 

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.