Sexta-Feira | 29 de Dezembro de 2017 | 9h54

Dicas para cuidade e saúde das unhas

Foto: Divulgação 

Poucas pessoas sabem, mas o estudo das doenças das unhas é uma das especialidades da dermatologia.

Existem inúmeras doenças que afetam unhas, e é  importante o estudo e avaliação correta das substâncias químicas e os cosméticos utilizados para ornamentação e beleza (esmaltes e próteses) das unhas.

Quase todas as alterações nas unhas são encaradas pelos indivíduos como micoses, mas essas alterações pode significar doenças importantes, e devem ser avaliadas por um dermatologista. Qualquer mudança pode não ser normal, inclusive há possibilidade de tratar-se de um sinal de doenças internas.

O formato das unhas é importante, uma vez que curvatura inversa da unha (unhas côncavas) podem significar falta de ferro, por exemplo. Unhas irregulares, ásperas e danificadas são encontradas nos traumatismos, psoríase, líquen plano e até alopécia areata (um tipo de queda de cabelo).

Alteração na cor das unhas podem ser causadas por uso de medicação e micoses. Manchas brancas nas unhas sugerem traumas, micoseses, e às vezes, doenças nos rins ou fígado. Unha amarelada pode ser comum no envelhecimento e no portador de diabetes. Coloração esverdeada na unha pode ser decorrente de infecção por bactéria. Linhas verticais, de coloração cinza, amarronzada a negra pode indicar surgimento de tumores que produzem pigmento embaixo da unha, incluindo o melanoma, um tipo de câncer de pele.

Unhas roídas indicam ansiedade, estresse e compulsão, e merecem tratamento.

Apesar de tudo isso, as alterações ungueais mais comuns, que mais levam os pacientes, principalmente às mulheres, aos consultórios, são as micoses de unhas, a “síndrome das unhas frágeis” e o descolamento ungueal (onicólise).

1 – as micoses nas unhas se manifestam com espessamento e alteração no formato das unhas, com surgimento de coloração branco-amarelada. É comum em homens e mulheres, com aumento nos mais velhos. Mais comum nos “dedões” dos pés. O tratamento deve ser feito com medicações antifúngicas de passar e para ingestão.

2 – A síndrome das unhas frágeis (SUF) é caracterizada pelo afinamento das unhas, que se tornam quebradiças, com sulcos e rachaduras verticais, além de descamação e saída de lâminas das unhas (“unhas desfolhadas”).  É muito comum em idosos e mulheres. Suas causas pode ser deficiência de vitaminas, como ferro e vitamina B, traumas repetidos nas unhas, contato constante com produtos químicos, de limpeza e alimentos, além de excesso de substâncias removedoras de esmalte, como acetona. O tratamento seria hidratação ungueal, suplementação de vitaminas e aplicação de esmaltes fortalecedores.

3 – O descolamento das unhas merece atenção porque pode predispor ao aparecimento de micoses. Pode significar várias doenças, mas na maioria das vezes é causado por traumas repetidos em unhas compridas, que por mecanismo de alavanca, vão se soltando aos poucos da pele do leito ungueal. Calçados apertados também podem contribuir. O tratamento, além de medicação específica, consiste em manutenção de unhas curtas, uso de calçados adequados (quando nas unhas dos pés) e proteção contra traumas.

 

O Dr. Tiago Silveira, que está sendo considerado um dos melhores dermatologistas de unhas e cabelos do
Rio de Janerio, selecionou
12 Dicas para o cuidado e saúde das unhas:

1 – Manter dieta balanceada, rica em vegetais e carnes;

2 – Não deixar unhas muitos comprimidas, porque se tornam facilmente descoláveis, aos mínimos traumas (alavanca);

3  - Não usar acetona para remoção do esmalte, porque desidrata e fragiliza as unhas; preferir removedores sem acetona ou ainda, óleo de banana;

4 – Aplicar hidratantes e óleos nas unhas sempre que estiverem sem esmalte e no intervalo entre as aplicações;

5 – Não remover cutículas! Elas foram feitas para manter proteção entre a pele do dedo e a unha. Quando removidas, deixam a região exposta, o que pode gerar inflamações e infecções;

6 – Não usar unhas como ferramentas: o traumatismo nas unhas predispões a descolamento e infecções;

7 – Usar luvas em caso de contato prolongado com substâncias químicas, sabões, detergentes e alimentos;

8 – Não roer as unhas;

9 – Usar calçados adequados e confortáveis, com atenção para evitar bicos e pontas muitos finos.

10 - Higienizar o interior dos calçados com desinfetante específico pelo menos uma vez por mês. Alternar os calçados, não repetindo o uso em dias seguidos.

11 – Unhas postiças e próteses de unhas, como unhas de gel ou acrigel, podem trazer aspecto imediato elegante, mas muitas vezes deixam as lâminas das unhas frágeis e deformadas após a remoção, como um efeito “maçã do amor” (fortes por fora e moles por dentro). Muito cuidado!

12 – Procurar um dermatologista caso apareçam sinais diferentes nas unhas, para um melhor diagnóstico do quadro. Iniciar uso de vitamnas e suplementos apenas se indicado por profissional para não mascarar o quadro.

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.