Segunda-Feira | 18 de Dezembro de 2017 | 17h15

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO é um título criado por Darson Ribeiro diante de um misto de história pessoal da infância e o atual momento em que vive, sempre tendo o teatro como meio de vivência. Convidou imediatamente Flavio de Souza para desenvolvê-lo, diante do que ele chama de “ótima embocadura para o ator”, como o premiado “Fica Comigo Essa Noite”, por exemplo. “Ele consegue tratar de assuntos atuais e atemporais com dramaticidade e bom humor”, explica Darson.

Darson Ribeiro
Crédito: Eliana Souza

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E foi diante dessa contemporaneidade de pensamentos, mesclada com ensinamentos milenares e ao mesmo tempo, extratemporais, que veio o convite para que Rubens Rusche assumisse a direção.

“Rubens é um tipo de diretor que já quase não há. Ele pensa primeiro na lógica da escrita e vai aos poucos criando e demarcando laços de vogais a sentenças, dando volume, peso e dramaticidade ao que se lê com o foco sempre no corpo do ator. O que se fala deve ser sentido primeiramente no corpo, só assim a voz se torna crível para contagiar as pessoas”, diz Darson.

Sobre o espetáculo

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO, se repararem, é quase um trocadilho entre “li-vro” e “li-vre”. É o teatro indo em busca do que a maioria esquece ou não sabe, que é a retomada da criança interior, no sentido humanista da ação.

Darson não tem o objetivo de realizar uma “ode” ao livro, mas, sim, utilizar-se desse instrumento milenar para, por meio do teatro, reforçar o “pensar em si”. A sugestão fica: tudo está em nós mesmos. Em quarenta e cinco minutos num tom confessional, ele apresenta de forma crua e sutil ao mesmo tempo, em tons variantes entre drama, humor e poesia, um reverso desse mundo caótico justamente pela falta de humanidade. E consequentemente, por falta da leitura – o homem consigo mesmo. Citando Jorge Luis Borges, “Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria. ”  

Então, esse ‘homem-livro’ se pendurou aos livros e ficou suspenso no ar – também no sentido metafórico do não-alcance terreno, como se as palavras tivessem o poder de suspender acima, prum céu sonhado. As pessoas já não sonham mais, sequer imaginam.

Ao contrário de um “anjo caído”, ele desobedeceu aos homens, não ao Divino, e flutuou nas letras usando as capas dos livros como alicerce, e diante de tamanho embrenhamento nas histórias se vê como Dom Quixote. Mas, são também os livros que o fazem sair da fantasia e entender a realidade. E aí, ele vence.

SERVIÇO:

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO

Darson Ribeiro Idealização, título e interpretação

Flavio de Souza texto

Rubens Rusche Direção

Participação especial de Ney Matogrosso na gravação da canção ‘Coração de Luto’ de Teixeirinha

Estreia: 5 de janeiro de 2018

Temporada: sextas e sábados às 20h. Até 3 de março.

Duração: 45 minutos

Indicação etária: 10 anos

Capacidade: 50 lugares

Local:

Teatro Livraria da Vila da Alameda Lorena

Alameda Lorena, 1731, Jardins - Fone: 3062-1063

Ingressos: R$ 60,00 (int) R$ 30,00 (meia)

Nos caixas da livraria:

De seg a sáb: das 10h às 22h / dom. e feriados das 11h às 20h

Vendas pela internet:

Ticket Fácil: http://ticketfacil.com.br

Telefone: 0300 778 1818

E-mail: atendimento@ticketfacil.com.br

https://www.teatrolivrariadavila.com.br/

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.