Cultura - Teatro

Michel III - Uma Farsa à Brasileira

12 de Dezembro de 2017

Fatos recentes da política brasileira inspiram a peça “Michel III – Uma Farsa à Brasileira” que estreia no Teatro dos Arcos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O espetáculo “Michel III – Uma Farsa à Brasileira” estreia dia 06 de janeiro no Teatro dos Arcos e ficará em cartaz aos sábados e domingos, às 19h, até 28 de janeiro, com entrada grátis. Escrita por Fabio Brandi Torres e dirigida por Marcelo Varzea, a montagem tem como personagem central Michel, um aspirante ao trono, cansado de viver em segundo plano, que resolve conspirar para assumir a coroa.

Esta é a última peça da primeira edição do projeto Berçário Teatral, que iniciou em agosto de 2017, e realizou seis montagens teatrais com o objetivo de revitalizar o Teatro dos Arcos. A ideia partiu do curador do projeto e diretor artístico do Teatro dos Arcos, Ian Soffredini, de criação um texto que tratasse da política brasileira, usando personagens das peças de William Shakespeare. Ele convidou o dramaturgo Fabio Brandi Torres para desenvolver o texto. O autor se inspirou em “Rei Lear”, “Macbeth”, “Ricardo III”, “Romeu e Julieta”, “Júlio César”, “Hamlet” e até “Sir Thomas More” (texto inédito em português), entre outras obras de Shakespeare, para revisitar o período histórico brasileiro do final do segundo mandato de Lula, passando pelo processo de impeachment de Dilma Rousseff, até o momento presente. O título Michel III remete a Michel Temer, o terceiro vice que se tornou presidente após a redemocratização.

Num ambiente de intrigas e obscuridades, cada personagem das cenas shakespeareanas tem o seu equivalente na política brasileira. Nesta sátira, os personagens fazem referência a figuras protagonistas do jogo político, além de Michel Temer: Lula,  Dilma Rousseff, Marta Suplicy, Marina Silva, Eduardo Cunha, Romero Jucá, Sergio Moro; empresários como Marcelo Odebrecht e Joesley Batista; e Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment.

“Michel III – Uma Farsa à Brasileira” usa a comédia como instrumento de crítica e observação do jogo de forças políticas que inclui acordos partidários e seus respectivos rachas de antigas alianças, políticos que são descartados na briga pelo poder, povo revoltado e dividido por posições extremistas. Áudios “vazados”, notícias falsas, memes na internet, delações premiadas, condenações de governantes, enfim, o que compõe o cenário político. “Foram necessários quatro meses de pesquisas sobre os fatos históricos para escrever a peça que fala de ambição e poder, fazendo a relação com os textos de Shakespeare”, explica Fabio Brandi Torres.

O autor acredita que a peça oferece diferentes níveis de leitura e compreensão, conforme o interesse na observação do jogo político e conhecimento da obra de Shakespeare. “Quem não conhece a obra de Shakespeare e não se atentou para os fatos políticos vai entender a trama porque a história que é contada trata de um assunto universal. Mas quem tem referências da dramaturgia e observou os fatos políticos vai perceber mais detalhes”, diz.

O diretor Marcelo Varzea conta que se interessou em participar do projeto porque considera importante preservar a democracia e o poder do voto. “A peça fala de um trono que foi usurpado. Nós, no nosso país, estamos cada vez mais  treinados  a desvendar o que há por trás dos discursos políticos. A peça também favorece este exercício. Faz rir e, principalmente, faz pensar. Este é meu propósito: insuflar a análise crítica, sem a presença de heróis”, diz o diretor.

O texto evita tomar partido por um dos lados da disputa política, fugindo da polarização. Mas expõe os fatos de maneira que o público possa tirar as suas conclusões. Um dos assuntos tratados é a pedalada fiscal, que foi a justificativa para o afastamento da ex-presidente Dilma. As pedaladas foram legalizas dois dias após o impeachment, quando o governo de Michel Temer sancionou mudanças na lei orçamentária. Este fato está parodiado no texto de Fabio como a Cavalgada dos Fiscais.

 

SOBRE O AUTOR FABIO BRANDI TORRES

Diretor teatral, dramaturgo e roteirista. Foi vencedor por duas vezes do prêmio de Melhor Autor do Festival de Teatro Curta/SESI (2000 e 2002) e três vezes indicado como Melhor Autor ao Prêmio Coca-Cola FEMSA de Teatro Jovem (“A Matéria dos Sonhos”, 2004, “Ciranda das Flores”, 2009 e “Pandolfo Bereba”, 2013). Também foi indicado ao Prêmio Shell 2005, como Melhor Autor, por “O Mata-Burro”.

Como roteirista, foi colaborador das novelas “Seus Olhos” (SBT) e “Paixões Proibidas” (BAND/RTP), e da sitcom “#PartiuShopping” (Multishow). Em 2017, assinou o roteiro do documentário “Inezita”, para a TV Cultura.

Teve a peça “Um Conto do Rei Arthur” editada ao vencer o Concurso de Dramaturgia Vladimir Maiakovski e o livro infanto-juvenil “O Tesouro de Fabergè” publicado em duas edições.

Seus textos já foram apresentados em Portugal, Espanha, Estados Unidos e Cabo Verde, e encenados por Isser Korik (“Revistando”, “Grandes Pequeninos” e “A Pequena Sereia”), Iacov Hillel (“Prepare seu Coração” e “Tutto Nel Mondo è Burla”), Val Pires (“Medida por Medida”), Caco Ciocler (“Vão Livre”), André Garolli (“Trama da Paixão” e “O Mata-Burro”), William Gavião (“Respeitável Público?” e “Macbeth”) e Rosi Campos (“Se Casamento Fosse Bom...”).

 

SOBRE O DIRETOR MARCELO VARZEA

Ator carioca formado na CAL, mora em São Paulo desde 1991, onde tem uma sólida carreira no teatro e se destaca como protagonista de diversos espetáculos, dirigido pelos maiores nomes de encenadores brasileiros.

Atuou em musicais de sucesso, como, “Cazuza”, “Elis”, “Rock in Rio-o Musical” e “O Musical da Bossa Nova”. Protagonizou a lendária montagem de Gabriel Villela para “A Ópera Do Malandro”, vivendo o malandro Max Overseas; atuou em séries de TV fechada (HBO, FOX, Multishow, Netflix e GNT).

Na TV Globo esteve no elenco das obras “A Lei do Amor”, “Malhação”, “Separação”; “Força de um Desejo”, “Um Só Coração”, “JK” e  “Insensato Coração”. Na mesma emissora, fez participações em “Os Normais”, “A Diarista”, “Sob Nova Direção”, “Toma Lá, Dá Cá”, “Casos e Acasos“ e “Retrato Falado”, entre outras obras.

No cinema, atuou em “Xingu”, “Boleiros”, “Deus Jr”, entre outros filmes.

Marcelo também é dramaturgo, preparador de atores e já dirigiu diversos eventos corporativos. Foi assistente de direção de novelas, comandou os 3 anos de sucesso do projeto de atores/cantores “Segundas Intenções”. Dirigiu o musical “ Do Kitsch ao Sublime “, o drama “Aquário com Peixes”, do premiado Franz Keppler, entre outros espetáculos.

 

SOBRE O ELENCO

Marcelo Diaz – atuou em “Cais ou da Indiferença das Embarcações”, direção de Kiko Marques; “Valéria e os Pássaros” e “Crepúsculo”, montagens da Velha Cia; “A Porta Secreta”, com direção de Fabio Ock; “As Feiosas”, de Marilia Toledo (indicado como ator ao Premio Femsa); e “O Fingidor”, de Samir Yazbec. Mais recentemente atuou em “Chapeuzinho Vermelho”, dirigido por Eduardo Leão.

 

Amaziles de Almeida - Cursou o Teatro Universitário/UFMG, participando de importantes montagens: “Electra”, de Eurípedes; “Rasga Coração”, de Oduvaldo Vianna Filho; “A Casa de Bernarda Alba”, de Garcia Lorca; e “Aurora da Minha Vida”, de Naum Alves de Souza. A partir de 1991, já em São Paulo, trabalhou nas  montagens “Ham-Let”, direção José Celso Martinez Corrêa; “Laços Eternos”, direção de Renato Borghi; “Verás que Tudo é Mentira”, direção de Marco Antonio Rodrigues; “Quarto 77”, direção de Roberto Lage; “Side Man”,  direção de Zé Henrique de Paula; “Te Amo São Paulo”, direção de Isser Korik; entre outras peças. Fez vários curtas-metragens e algumas participações em longas, como, “O Grande Mentecapto”, de Oswaldo Caldeira; “Alma Corsária”, de Carlos Reichenbach. Na TV, atuou em “Mandacaru”, com direção de Walter Avancini  na extinta TV Manchete; “Antônio dos Milagres”, na CNT/Gazeta em SP, com direção de Lucas Bueno; e “Sandy e Junior” na Rede Globo.

 

Martha Meola – atuou nas peças “O Cárcere Secreto”, com direção de Francisco Medeiros; “Macunaíma”, “A Hora e a Vez de Augusto Matraga“, dirigidas por Antunes Filho; “Woyzeck”, direção de Alexandre Stockler; “Há Vagas Para Moças de Fino Trato”, direção de Marcelo Lazaratto; “Dorotéia – Farsa Irresponsável”, de Nelson Rodrigues, direção de Carlos Gomes; Assim É (Se lhe Parece), de Luigi Pirandello, direção de Marco Antônio Pâmio, entre outras montagens. Atuou em diversas novelas na TV, entre elas “Verdades Secretas”, de Walcyr Carrasco, e “Tempo de Amar”, de Alcides Nogueira, ambas na TV Globo. No cinema, trabalhou em “Sonhos Tropicais”, de André Sturm; “Contra Todos”, de Robson Moreira; “O Cheiro do Ralo”, de Heitor Dhalia; “O Palhaço”, de Selton Mello; entre outros filmes de longa e curta-metragem. Também trabalhou em mais de 100 campanhas publicitárias no Brasil e na América Latina.

 

Fabiano Medeiros - iniciou sua carreira em 1991. Em 1997 a convite de Gabriel Villela, integrou o show "Tambores de Minas", de Milton Nascimento. Atuou em “A Vida é Sonho” dirigida por Gabriel Villela. Em 1999 ingressou na Armazém Companhia de Teatro (RJ), uma das mais conceituadas companhias brasileiras, dirigida por Paulo de Moraes, atuando nos espetáculos “Alice Através do Espelho”, “Da Arte de Subir em Telhados”, “Pessoas Invisíveis”, “Casca de Noz” e “Toda Nudez Será Castigada”. Em São Paulo realizou os shows “Tropicália 4.0”; “Clara Luz”; “Tropicália é preciso!” e “Divino Maravilhoso”. Paralelamente  aos shows trabalha também nos espetáculos musicais “Cazuza – Pro dia nascer feliz, o musical”, “Rita Lee mora ao lado”, em ambos fazendo o papel de Ney Matogrosso.

 

Lena Roque - atriz, diretora, apresentadora e arte educadora formada em Artes Cênicas pela ECA/USP em 1995. Atua há 32 anos. No teatro fez 22 espetáculos, entre eles, “Domésticas”, direção de Renata Melo, “Dúvida”,  direção de Bruno Barreto, “Freak Show”, direção de William Pereira ,“Frenesi”, direção de Naum Alves de Souza. Participou das séries “Axogum” (Canal Brasil), “Psi” (HBO), da novela “Chiquititas” (SBT) e em dezenas de comerciais e vídeos institucionais. No cinema, atuou em “Domésticas”, de Fernando Meirelles e Nando Olival; “Quanto Vale ou é Por Quilo?”, de Sergio Bianchi, entre outros. Escreveu o livro “Impressões” e quatro peças de teatro: “Alto Falante” ,“Autópsia”  “Impressões”, e “Louca de Amor - Quase Surtada”, adaptação do livro “Confissões de uma Louca de Amor” de Viviane Pereira.

 

Michel Waisman - formado pela Escola de Arte Dramática (EAD/USP). Atuou nas peças “A Máquina Tchekov”, com direção de Clara Carvalho e Denise Weinberg; “Esplêndidos”, com direção de Eduardo Tolentino; “Os Sete Gatinhos”, com direção de Nelson Baskerville; “O Beijo no Asfalto”, com direção de Marco Antônio Brás; “O Despertar da Primavera”, com direção de Eduardo Tolentino de Araújo. Trabalhou no seriado “Na Forma da Lei”, da TV Globo; nas séries “3%”, série produzida pela Boutique Filmes, e “Rio Heroes”, produzida pela Mixer aguardando lançamento.

 

O PROJETO BERÇÁRIO TEATRAL

O Projeto Berçário Teatral tem por objetivo a produção de seis montagens com entradas gratuitas, visando a revitalização do Teatro dos Arcos, na região central de São Paulo. Desde agosto de 2017 foram realizadas temporadas das peças “Não Tem Xícara”, idealizada e dirigida por Ian Soffredini; “Terra dos Outros Felizes – o Jogo dos Amigos Imaginários”, texto de Michelle Ferreira e direção de Vanessa Guillen; “Existe Sexo Depois do Casamento?”, de Jeff Gould, direção de Isser Korik; “Lá Fora é Pior”, texto e direção do Núcleo de Pesquisa Teatral Arcos Dramatúrgicos; e “Não me Recupero do Vazio do Seu Corpo”, do OBARA - Grupo de Pesquisa e Criação, com direção de Lu Carion.

 

SERVIÇO:  “Michel III – Uma Farsa à Brasileira”

Local: Teatro dos Arcos (Rua Jandaia, 218. Bela Vista. Tel: 11 3101-8589)

Estreia: 06 de janeiro de 2018

Temporada até: 28 de janeiro de 2018

Apresentações: sábados e domingos, às 19h.

Capacidade: 70 lugares

Ingresso: Grátis (entrega de convites no local uma hora antes da sessão)

Duração: 70 minutos

Classificação etária: 12 anos 

 

TEATRO DOS ARCOS

Endereço: Rua Jandaia, 218. Bela Vista.

Telefone: 11 3101-8589

Capacidade: 70 lugares

Horário de funcionamento da bilheteria: somente nos dias de apresentação, uma hora antes.

Acesso para cadeirantes

Ar-condicionado

Estacionamento conveniado: avenida Brigadeiro Luiz Antônio, 502. Valor: R$ 20,00

 

Para download de fotos da peça acesse o link:

https://postimg.org/gallery/3dz20bsq4/22824cda/

Crédito: Pedro Tavares

Comentários
Programa Compartilha Brasil