Quinta-Feira | 12 de Outubro de 2017 | 10h2

Beldades comemoram Dia das crianças

A modelo Jordana Guimarães, atriz do programa João Kléber Show e que está sendo considerada uma das mulheres mais bonitas da TV brasileira, diz que gostava muito de dançar na infância. "Gostaria de voltar a ser criança! Disse isso ao meu filho semana passada e que queria brincar com ele como criança, não como adulto (risos). Adorava dançar, fazerposes para fotos e desenhar roupas para minha mãe mandar fazer para depois usar", lembra a loira de Belo Horizonte.
 
A modelo Amanda Ribeiro, que foi campeã de laço em diversos rodeios e é uma das principais ring girls do Brasil, exalta sua juventude: "Só tenho ótimas lembranças pois vivi minha infância da melhor maneira possível e sem essas tecnologias de hoje em dia. 
Tenho certeza que era feliz e não sabia. Via o mundo de outra forma, sem preocupações. Hoje, no Dia das Crianças, gostaria de presentear uma criança na rua".
 
 
A musa fitness Bia Citro, que perdeu 17kg em apenas 30 dias entre os meses de junho e julho deste ano, revela que foi criada com seus avós por parte de pai: "Minha mãe trabalhava muito e não tinha tempo. Tive uma educação rígida na igreja. Também gostava muito das apresentações e fui dançarina de axé dos 6 anos de idade aos 13. Amava estar nos palcos! Meus momentos favoritos eram os finais de semana, onde passava mais tempo com minha mãe e também tinha ensaio com o pessoal e os coreógrafos. Também estudei em uma escola em período integral que me permitiu ter aulas de teatro, espanhol e inglês. Sempre gostei de escrever desde muito pequena, fui colunista do fitclub e até hoje ainda tenho hábito de ler e escrever. Sofri bullying na escola por ser feia, ser gordinha e ter os dentes tortos, porém me distraia no mundo da fantasia. Estava sempre desenhando ou sentada embaixo da alguma árvore lendo algum livro. Minha pior lembrança era lembrar que eu tive um padastro que agredia minha mãe quando bebia. Ele era músico e aquela imagem não sai da minha cabeça até hoje pois minha mãe é a melhor pessoa do mundo e eu não podia fazer nada para defendê-la. Também me lembro de quando sentia falta da minha mãe durante a semana, sabendo que ela estaria lá dormindo sozinha com ele. Lembro disso claramente porque agora, depois de adulta, tenho a mesma sensação. Não o medo dela ser maltratada, pois já fazem muitos anos em que ela largou esse cara, mas às vezes choro à noite sentindo a falta dela pois dormia junto com ela quando há 5 meses atrás eu morava no interior". 
 
"Meu sonho é conseguir me estruturar para trazer toda a minha família do interior para cá. E é essa motivação que uso pra dar o melhor nos meus treinos, me empenhar para ganhar campeonatos e conquistar meu espaço. Para orgulhar ela, trazê-la para cá, é minha obrigação ter sucesso, caso contrário, com certeza iria preferir estar próximo à minha família. Na infância não existia malícia, as pessoas eram amigas por gostarem umas das outras, e não somente por um interesse. É claro que eu gostava de ser amiga de quem também gostava de dançar, fazer teatro, jogar videogame e brincar de Barbie, mas era diferente pois interesses por gostos em comum é muito natural. O mundo mudou, por isso que somente mantenho por perto as pessoas que vejo que realmente são boas e gostam de mim por quem eu realmente sou, que somam comigo e sabem que minha aparência não me limita a um estereótipo formulado por olhares maldosos", afirma Bia Citro. 
 
"De Dia das Crianças, gostaria de ter minha mãe e minhas irmãs aqui comigo. Não só hoje, mas sempre. Mas se, por hoje, pudesse ter elas aqui comigo, como num efeito de mágica, faria meu coração vibrar de alegria. Esse sem dúvida nenhuma seria o presente perfeito", exalta a musa fitness.
 
 
A modelo Ana Paula Segetto, que é formada em Estética e Cosmetologia, e agora está no final da faculdade de Biomedicina, diverte-se ao admitir que "tinha medo da possível existência do bicho papão". A loira também conta que sente falta das amizades da infância e exalta: "Adorava brincar com minha mãe de elefante colorido e de boneca com minhas amigas".
 
 
A modelo Liziane Soares, de 23 anos, lembra com carinho das férias em São Marcos, interior de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul: "Foi uma infância que raras crianças têm hoje em dia. Brincava na rua, bem moleca mesmo. Tive casa na árvore, bicicleta e até cavalo. Mas minhas maiores brincadeiras eram pegar as roupas e sapatos da minha mãe e brincar de novela com uma amiga que atualmente trabalha em meu canal do Youtube. Interpretávamos o papel de algumas atrizes da novela ou imitávamos alguma cantora. Eu fazia show, me molhava com uma garrafinha de água para dizer que estava emocionada. Era uma atriz total (risos)".
 
"As piores lembranças ou momentos sem dúvidas foram a perda de dois familiares: meu vô que chamava de pai pois foi quem me criou e minha bisavó Julia. Eram figuras muito influentes na família inteira", conta a loira. "Quem não sente falta da infância! Mas carrego comigo boas recordações e gostaria de um dia poder oferecer a meu filho (a), que se um dia eu tiver, algo parecido com o que vivi. Gostaria que as crianças pudessem ter o que tive: proteção, carinho e alegria", finaliza Liziane Soares.
 
comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.