Segunda-Feira | 9 de Outubro de 2017 | 13h36

USO DE ANABOLIZANTES E IMPOTÊNCIA SEXUAL

Os anabolizantes são hormônios derivados da testosterona, que é o principal hormônio sexual masculino. Eles são bastante utilizados por atletas profissionais, ou não, com a intenção de acelerar o ganho e desenvolvimento de massa muscular, além de melhorar sua performance esportiva. A prevalência do abuso dessas drogas chega a 6,4% nos homens e a 1,6% nas mulheres.

“Muitas dessas substâncias são obtidas pela internet ou por fontes duvidosas, muitas vezes não sendo submetidas a testes confiáveis e sendo administradas com doses elevadas e com combinações bizarras”, afirma Dr. Eduardo Barros, urologista e especialista em Andrologia – Medicina Sexual e Reprodutiva Masculina. Tudo isso, por sua vez, torna mais difícil a prevenção e controle de possíveis efeitos colaterais provenientes do uso e abuso dessas drogas.

Existem indicações médicas precisas para uso dessas substâncias. Elas são prescritas, preferencialmente, para pacientes em quadros de desnutrição importante, problemas endocrinológicos e sexuais resultantes da falta de produção de testosterona pelo próprio organismo.

Apesar do efeito estético satisfatório, o uso de anabolizantes pode trazer diversos efeitos colaterais que podem, muitas vezes, ser irreversíveis. Dentre os principais efeitos colaterais temos:

Homem

Mulher

Bloqueio da Produção de Hormônios Sexuais

Bloqueio da Produção de Hormônios Sexuais

Infertilidade

Ciclos Menstruais sem Óvulos

Diminuição do Volume Testicular

Parada da Menstruação

Calvície

Menstruação Intensa

Aumento das Mamas

Infertilidade

Perda da Libido

Crescimento de Pêlos e Calvície

Disfunção Erétil

Perda de Volume Mamário

Sudorese Intensa

Surgimento de Estrias

Surgimento de Estrias

Aumento do Clitóris

Acne

Engrossamento da Voz

 

 

“Quando fazemos uma complementação do uso de anabolizantes externos, o organismo automaticamente interpreta que há um excesso desse hormônio bloqueando a produção natural pelo organismo. Essa parada de produção pode ser transitória ou definitiva de acordo com o metabolismo de cada paciente” explica o especialista. Portanto, o paciente mantém-se “dependente” dessa reposição para poder manter os níveis fisiológicos desses hormônios.

A falta da produção hormonal e de espermatozóides devido ao bloqueio que foi empregado, faz com que haja uma diminuição do volume testicular. Além disso, a falta de testosterona endógena pode levar a alterações na libido e consequentemente na ereção.

A falta de testosterona não age diretamente no processo de ereção, porém sua falta leva a diminuição da libido e faz com que haja uma diminuição pela busca de estímulos sexuais. Além disso, a falta de testosterona tende a deixar o homem com maior labilidade do humor e muitas vezes aumenta seus níveis de ansiedade e depressão. Assim, resulta em uma piora importante da performance sexual e aumento de queixas relacionadas a disfunção erétil.

“O tratamento de pacientes com queixas sexuais relacionadas a histórico de uso e abuso de anabolizantes, consiste em saber se ainda há uso de substâncias anabolizantes e se há possibilidade de sua suspensão; investigação do eixo hormonal através da dosagem laboratorial de seus componentes; reposição correta e orientada dos componentes do eixo caso haja possibilidade; uso de medicamentos que auxiliam o processo de ereção como os Inibidores da Fosfodiesterase Tipo 5 (I5PDE)”, completa Dr. Eduardo Barros.

Assim, o uso de anabolizantes para fins estéticos e de melhora do desempenho físico deve ser desestimulado por profissionais da saúde e de qualquer outra área. Caso realmente o uso dessas substâncias for indicado, faça isso apenas sob supervisão de profissional extremamente qualificado e com experiência para individualizar seu tratamento e que saiba lidar com qualquer das complicações que o uso desses medicamentos pode causar.

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.