Sexta-Feira | 1 de Setembro de 2017 | 10h35

SÃO CRISTÓVÃO - CIDADE MÃE DE SERGIPE

 

Divulgação


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Cidade de São Cristóvão foi a primeira capital de Estado de Sergipe.

Fundada em 1º de janeiro de 1590 por Cristóvão de Barros, após guerra sangrenta travada contra índios da região. A ex-capital do Estado de Sergipe é conhecida pelo rico patrimônio cultural observado nos museus, grupos folclóricos, culinária, artesanato, música, igrejas e casarios antigos, além de sua configuração urbana e, especificamente, da sua Praça São Francisco, reconhecida Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em agosto de 2010.

Se você pretende visitar a histórica cidade e hospedar-se na capital Aracaju, chega pelo acesso da rodovia João Bebe-Água ou pela BR 101, em 25 minutos.

A cidade é dividida em dois planos: cidade alta, onde fica o centro histórico, e a cidade baixa.

Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na cidade baixa vale a pena buscar o comércio para sentir o que é uma feira, seus sons, sabores e perceber que tudo cheira a maré, mistura de água do rio Paramopama e do mar.

Não deixe de agendar em algum restaurante o seu almoço, muqueca, pirão ou aolho e óleo, tendo o peixe como prato principal. Você encontrará outros lugares “decomer” (expressão vocabular regional também na cidade alta, bem como doces e mais doces...

Subir qualquer das ladeiras que separam a cidade baixa da cidade alta é mudar o cenário e experimentar sensações maravilhosas que só o gosto pela obra de arte favorece.

Somente na Praça São Francisco, encontrará dois museus: Museu de Artes Sacra e o Museu Histórico de Sergipe, o primeiro é dedicado a estatuaria dos santos, a arquitetura conventual e objetos representativos do catolicismo antigo.

O segundo, tem museografia mista: mobiliário antigo, estatuaria, pinacoteca – com obras de Jenner Augusto, Horácio Hora e Carybé – dentre outros, e sempre uma boa exposição temporária. Pertinho dali, tem o Museu da Polícia Militar contando a trajetória da instituição e um grande acervo de armas.

Caminhar nas ruas e praças do centro histórico de São Cristóvão é passear num museu à céu aberto. Das igrejas e conventos seculares vale o esforço de ir, a entrada e o silêncio, seja de quem reza, seja de quem contempla o passado preservado em portentosas obras de arte e fé.

O Senhor dos Passos, santo milagreiro que atrai romeiros de todo o Brasil, você encontra no interior do Convento do Carmo. A imagem, que foi encontrada por pescadores no século XVIII do Rio Paramopama, a semelhança precioso achado de Nossa Senhora Aparecida nas água do Rio Paraíba, em São Paulo, sai nos braços do povo numa grande procissão sempre no início do período quaresmal, após o Carnaval.

Outros eventos que merecem destaque são: a Procissão dos motoristas (25 de julho); e a Procissão de Corpus Chisti (junho), aquela que o chão das ruas e praças são ornados com tapetes artísticos elaborados num esforço coletivo pelos moradores.

Na Praça do Carmo, o silêncio conventual revela a religiosidade que emana do templo barroco. O Convento de Nossa Senhora do Carmo não é referência somente ao Senhor dos Passos. A Venerável Irmã Dulce é uma memória presente. Aqui ela chegou jovem para fazer noviciado na Congregação das Irmãs da Imaculada Conceição, em 1933, sendo batizada no ano seguinte.

Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As mãos criativas das artesãs que formam o grupo das Bonequeiras de São Cristóvão transformaram a Irmã Dulce em um mimo (souvenir), igualmente as personalidades da Caceteira, Reisada, da Chegança, etc. existe um trabalho de integração do patrimônio cultural sancristovense através do artesanato que merece o conhecimento e/ou o reconhecimento de quem visita São Cristóvão. E assim, conhecer a cidade representada em delicados produtos artísticos constitui um exercício obrigatório de quem veio turistar e decidiu registrá-la não apenas pela fotografia. Indispensável conhecer o artesanato produzido na Praza da Matriz, seja pelas Bonequeiras de São Cristóvão, seja pela artística Nivaldo Oliveira, que mantém atelier ali perto.

Conheça a Cidade Mãe de Sergipe!

A expedição na afamada quarta cidade mais antiga deve passar pelos seus museus e igrejas, flanar em suas ruas e praças, conhecer os artistas e sentir os sabores, suas peculiaridades.

Já disse o poeta que nas queijadas estão os sabores da cidade, como um doce patrimônio. Por isso, não deixe de conferir os doces e licores na Casa das Queijadas.

Viajando a Aracajú não deixe e conhecer a Cidade de São Cristóvão “Cumprir este roteiro é semear o retorno dentro de si”.

Fonte: São Cristóvão Prefeitura – www.saocristovao.se.gov.br

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.