Quinta-Feira | 24 de Agosto de 2017 | 10h43

Cantando na Chuva

Ministério da CulturaMercado Livre e Mercado Pago apresentam:

O aclamado musical estreia no Teatro Santander, dia 12 de agosto, com Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello no elenco

 

Um dos filmes mais celebrados da história do cinema norte-americano ganhará os palcos de São Paulo no dia 12 de agosto. No ano em que completa os 65 anos de sua estreia nas telonas, chega ao Brasil o musical “Cantando na Chuva”. Os icônicos papéis interpretados por Gene Kelly e Jean Hagen agora ganham vida através de Jarbas Homem de Mello e Claudia Raia.

 

A clássica história se passa nos idos de 1920 em plena Hollywood. Os atores Don Lockwood (Jarbas Homem de Mello) e Lina Lamont (Claudia Raia) são as estrelas da época, o casal preferido da indústria cinematográfica. Sucesso entre o público, os dois são os queridinhos da mídia, que aposta num relacionamento mais íntimo entres eles, algo que jamais existiu. 

 

O sucesso do casal 20, entretanto, é abalado com a transição do cinema mudo para o falado, que logo se torna a sensação do mercado. Dispostos a não perderem o que conquistaram, Don e Lina se veem obrigados a produzirem um filme para atender às expectativas da época.  Juntos, eles precisam superar as dificuldades que essa “nova interpretação” representa para os dois, e assim se manterem no topo. Nesse processo, entram duas figuras importantes para o sucesso da investida do casal: Kathy Selden e Cosmo Brown. Originalmente interpretados por Debbie Reynolds e Donald O´Connor, Bruna Guerin e Reiner Tenente dão vida aos personagens no musical brasileiro.

 

A ideia de adaptar o espetáculo para os palcos brasileiros surgiu durante uma viagem que Claudia fez com Jarbas em 2012. Ao assistir o musical em Londres, a atriz decidiu comprar os direitos autorais da obra. “Foi ali que deu o clique para montar a peça. Vamos fazer a nossa versão, não é a de Londres, nem a da Broadway, que vai estrear depois da gente. Acredito que a nossa será a mais bacana”, aposta Claudia.

 

Para produzir o musical, a atriz se associou a Stephanie Mayorkis, produtora do espetáculo e diretora da IMM Esporte e Entretenimento. A direção da obra ficou a cargo do americano Fred Hanson, conhecido por seus trabalhos em “Miss Saigon”, “Les Misérables (EUA)” e “O médico e monstro”. “Para os fãs do filme, eu diria que eles verão seus momentos favoritos no palco, com o mesmo tom, felicidade, humor, dança e música do filme. Mas tudo isso sendo vivenciado bem de perto”, explica o diretor.

 

“Cantando na Chuva” recebe todos os cuidados dignos da superprodução que é. Para a lendária cena em que Don Lockwood sapateia na chuva, o teatro ganhou dois tanques, com capacidade total para mais de 8 mil litros de água, que produzirão o efeito da chuva. O palco do Teatro Santander também foi adaptado para receber um sistema de filtragem da água e outro de aquecimento, que manterá a temperatura em 29° C. Uma rede de drenagem com bombas fará a receptação para reutilização da água, evitando qualquer desperdício. Do assento, o público assistirá de perto à magia de uma das cenas mais marcantes do cinema.

 

 “A cena da chuva é a mais clássica de todos os tempos dos filmes musicais. E não poderia ser diferente no nosso espetáculo”, afirma Jarbas, que frisa a importância de “Cantando na Chuva” em sua formação: “É um sonho de infância, porque o Gene Kelly sempre foi o herói das minhas Sessões da Tarde, quando eu era criança. Fazer esse musical é maravilhoso. E faremos tudo o que a gente sabe: cantar, dançar e sapatear, debaixo da chuva (risos)”. Sobre a cena tão emblemática, Claudia Raia é categórica: “Quando toca aquela música, e você vê alguém cantando na chuva com aquele guarda-chuva aberto, é emocionante. O público vai delirar”.

 

Audições

Para as audições, realizadas em março, foram recebidos mais de 1200 currículos. Trezentos profissionais foram escolhidos para passarem pela seleção de elenco. “Fizemos uma série de testes ao longo de uma semana. Vimos as mesmas pessoas mais de uma vez para realmente entender bem as habilidades delas. É um espetáculo difícil nesse sentido, porque tem sapateado, dança tipo jazz da Broadway, canto, interpretação e, claro, perfil da personagem. E não é fácil reunir todos esses quesitos, compor um grupo que supra todas as necessidades criativas do espetáculo”, explica Fred. Trinta artistas e uma orquestra com 14 músicos integram o elenco de “Cantando na Chuva”.

 

Chovendo no palco

Para a megaprodução que é, “Cantando na Chuva” contou com uma equipe extremamente empenhada em tornar o famoso clássico uma realidade nos palcos brasileiros. Sobre a cena mais aguardada, a que Don sapateia na chuva, o diretor Fred Hanson garante a mesma emoção do filme. “É um dos momentos clássicos e, nesse caso, vamos tentar recriar o mais fiel possível ao filme, com água. Irá chover no palco e isso chamará a atenção do público”, afirma. “ A chuva era algo desconhecido para a gente, então fizemos uma pesquisa, fomos atrás de empresas que eram especializadas. Encontramos essa empresa na Inglaterra que foi a responsável pela montagem do espetáculo em Londres e foi um grande acerto. Estamos bem felizes com a chuva, está incrível”, comemora a produtora Stephanie Mayorkis.

 

Dançando na Chuva

Dançar na chuva não foi uma tarefa fácil. Chris Matallo, coreógrafa responsável pelo sapateado, precisou fazer alguns testes até encontrar a solução para o espetáculo. “Eu fui até lá, pedi para jogarem água no palco e fiz testes com os meus sapatos, o feminino e o masculino. Tudo foi feito em conjunto com a equipe criativa”, diz ela, que lista as cenas de tap dance mais marcantes. “A cena de Truman, que os atores sapateiam em cima da mesa e na cadeira; o solo do Jarbas; o ‘Good Morning’; e o clássico, o ‘Singing in the Rain’”.

 

Como não poderia deixar de ser em um musical, todas as cenas de dança prometem deixar o público encantado. Os trinta atores foram escolhidos minuciosamente e se entregaram durante o processo de criação, segundo a coreógrafa Kátia Barros. “Todas as coreografias são inéditas e desenvolvidas especialmente para a montagem. Tudo pensado especialmente para o talento dos nossos artistas”, afirma.

 



 

 

Serviço:

Estreia: 12 de agosto

Temporada: até 26 de novembro de 2017

Local: Teatro Santander

Endereço: Complexo do Shopping JK - Av. Juscelino Kubitschek, 2041 - Itaim Bibi - SP

Horários: Quinta, às 21h / Sexta, às 21h / Sábado, às 17h e 21h /Domingo, às 16h e 20h

Vendas:

Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br), Entretix (www.entretix.com.br)

Vendas a grupos: grupos-entretenimento@immbr.com

Classificação Etária: livre (menores de 12 anos permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsáveis legais)

 

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.