Sexta-Feira | 18 de Agosto de 2017 | 18h3

João, o maestro!

Texto César de Holanda

Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dizem que a música se faz no silêncio e, certamente, não foram poucos os momentos de silêncio e solidão na trajetória do maestro João Carlos Martins.

Com lançamento nacional nesta semana, a cinebiografia do pianista que teve a carreira interrompida por diversas vezes mostra, além da beleza, as aventuras e falhas do homem nascido para grandes feitos.

Dirigido por Mauro Lima (Tim Maia e Meu nome não É Johnny), o longa desenvolve-se em momentos de delicadeza extrema, flashbacks precisos e detalhes que tornam uma história de vitória, sangue e persistência em um filme dramático, musical e engraçado.

Desde a cena em que o maestro perde a virgindade em um bordel, as superações constantes ao longo da vida e os devaneios de um músico prestes ao suicídio, os atores Alexandre Nero, Rodrigo Pandolfo e David Campolongo destrincham as várias facetas de um João que acostumou- se a trafegar por todos os ambientes com a elegância e simplicidade de um verdadeiro gênio.

Com uso frequente de letterings, a película define a palavra obsessão, como  perseguição diabólica. No caso de João uma perseguição em busca da perfeição musical por toda a vida e, se nos momentos finais o diretor do filme ressalta que “Quem confraterniza com a dor, comunga no Reino de Deus”,  somente Este mesmo para explicar as dores e os por quês de João Carlos Martins. 

Em um país de poucos heróis, diversos escândalos e perspectivas cada vez mais nebulosas de um futuro que nunca chega, como afirmou a produtora do filme Lucy Barreto, a história de João Carlos é, sim, exemplo para um Brasil distante do ideal.

 

 

comentar

últimos comentarios
Bela texto pra este que fez das suas dificuldades, alavanca pra viver!

Por: Camila

De: São Paulo Data e hora: 18/08/2017 - 20:45:57

Parabéns pelo texto Cesar .

Por: Jose assis de oliveira

De: Sao paulo Data e hora: 18/08/2017 - 19:08:36