Quinta-Feira | 27 de Abril de 2017 | 10h11

Guilherme Longo, padrasto do menino Joaquim, é preso pela Interpol

Guilherme Longo, padrasto do menino Joaquim, foi preso pela Interpol na Espanha. Ele estava foragido desde 2016. A morte do menino Joaquim aconteceu em 2013. Em um vídeo exclusivo para equipe da Record TV, Guilherme assumiu que matou o menino e logo depois desapareceu.

A prisão foi confirmada pelo promotor Marcus Túlio Nicolino, que atua no caso.

Guilherme Longo

 

O caso

O pequeno Joaquim Ponte Marques, então com 3 anos, desapareceu da casa onde morava em Ribeirão Preto-SP com a mãe, Natália Ponte, e o padrasto, Guilherme Longo no dia 10 de novembro de 2013. Segundo as investigações, Longo teria injetado doses excessivas de insulina no menino e depois atirado o corpo no córrego. O corpo de Joaquim foi encontrado dias depois no rio Pardo, próximo de Barretos-SP já sem vida.

Perfil Falso

Guilherme Longo tinha até perfil falso no Facebook mostrando que morava em Barcelona, na Espanha. Ele utilizava de documentos de um primo e teria viajado do Uruguai para Barcelona. A polícia está investigando o caso.

 

Defesa

Antônio Carlos de Oliveira, advogado de defesa de Guilherme Longo, informou que ficou sabendo que o seu cliente foi preso através da família do acusado. O padrasto de Joaquim deve chegar ao Brasil em dois dias e possivelmente será encaminhado diretamente para o Presídio de Tremembé (SP), onde já esteve preso, sem passar por Ribeirão Preto.

Rodrigo Pagliani, apresentador do Balanço Geral SP Interior, traz mais informações sobre o caso em vídeo publicado em sua página na rede social (Facebook). Link: https://www.facebook.com/apresentador.rodrigopagliani/

Nota Oficial da Polícia Federal

 

 

comentar

últimos comentarios
conta outra , capaz que uma criança de 3 anos ia sair de casa a noite sozinha para procurar pelo padrasto, sendo que a maioria das crianças nessa faixa de idade tem medo do escuro e de ficar sozinha. é ruim em que historinha mais fajuta...

Por: Ivonete

De: Data e hora: 28/04/2017 - 00:19:05

Forjaram prova de um cachorro ter farejado o padrasto levar o enteado até o rio, de uma forma até ridícula. O que aconteceu é que o cara estava doidão, e ao sair de casa deixou porta e portão destrancados, e o menino deve ser saído para procurar o padrasto na margem do rio, que noutras vezes mentia isso quando saia para buscar drogas. O menino deve ter caído acidentalmente no rio e estava sozinho.

Por: Miguel D\'Ávila

De: São José-SC Data e hora: 27/04/2017 - 14:10:21

As pessoas vem aqui postar condenações sem querer conhecer os fatos, além de que muitos são ativistas que infestam a Internet com suas postagens facciosas. Ficou provado que a acusação de overdose de insulina era falsa, inclusive com fraude processual em que uma ampola de insula foi deixada escondida, mas depois apareceu. A acusação de afogamento era falsa da forma como foi feita, pois existe o afogamento seco.

Por: Miguel D\'Ávila

De: São José-SC Data e hora: 27/04/2017 - 14:09:55