Sábado | 15 de Abril de 2017 | 9h57

Harmonização Orofacial - Um novo conceito na odontologia.

 

A odontologia moderna tem se preocupado, cada dia mais, com a saúde e bem estar do paciente como um todo. Mais do que tratar problemas dentários isolados, estamos preocupados em reabilitar pessoas de maneira que sua face esteja em harmonia com seu corpo e mente. Afinal, segundo a OMS, saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças. Por isso, atuamos naquele possível desequilíbrio facial. Imagina você, estar com os dentes perfeitos mas, os lábios caídos, o olhar triste ou as rugas proeminentes, escondendo toda a beleza presente.

 

O que é Harmonização Orofacial?

Harmonização no dicionário significa estar ou ficar em harmonia, em concordância, em acordo.

Baseado nisso, utilizamos-nos de procedimentos e produtos, já existentes, como toxina botulínica, preenchedores, bichectomia, ácido deoxicólico, fios de sustentação, derivados sanguíneos, microagulhamento, para devolver a harmonia perdida da face.

Após um estudo individualizado e tridimensional, com auxílio da antiga técnica do visagismo e uma boa conversa com o paciente, conseguimos detectar onde são necessárias as intervenções e quais as propostas. Após serem discutidas, o paciente escolhe o que lhe agrada. Afinal, beleza é uma combinação de qualidades, como formato, cor ou forma, que agrada os sentidos estéticos. (Dicionário Oxford de língua inglesa).

 

Quando tudo começou?

Desde o ano passado, com a Resolução 176/2016, o Conselho Federal de Odontologia autorizou a utilização da toxina botulínica e dos preenchedores faciais pelo cirurgião-dentista, para fins terapêuticos funcionais e/ou estéticos, desde que não extrapole sua área anatômica de atuação. Nossa área de atuação vai desde o osso hioide, até o limite do ponto násio (ossos próprios de nariz) e anteriormente ao tragus, abrangendo estruturas anexas e afins. Para os casos de procedimentos não cirúrgicos, de finalidade estética de harmonização facial em sua amplitude, inclui-se também o terço superior da face. 

Mas, sempre foi de nosso conhecimento e atuação, as cirurgias faciais e ósseas, suturas faciais, aplicação de anestésicos, prescrição de medicamentos e o tratamento de intercorrências.

 

Todos os cirurgiões dentistas podem fazer o procedimento?

Até o momento, sim. A liberação do CFO abrangeu toda a classe, não restringindo-se a especialistas. Mas, acredito que mais cursos, com grandes cargas horárias serão abertos, fazendo com que o cirurgião se especialize cada vez mais no tema. Não acredito em cursos de final de semana. Além disso vejo que, os profissionais com ética e bom senso estão utilizando as técnicas com total perfeição.

 

Qual o futuro da odontologia orofacial?

Por se tratar de um tema novo, coincidindo com a área médica, estamos enfrentando alguns entraves entre as classes. Mas, a odontologia orofacial tem tudo para destacar-se. Contamos com profissionais competentes, as melhores faculdades de odontologia do mundo, um conselho sábio e atuante, jajá estaremos colhendo bons frutos.

 

 

Por Dra. Mariana Rios

Instagram: @dra.marianarios

(84)3211-0648 

www.dramarianarios.com

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.