Quarta-Feira | 23 de Novembro de 2016 | 16h27

ETERNA MEMÓRIA - OLNEY CAZARRÉ (1945-1991) e CARLOS LEITE (1939 ? 1991)

Dois humoristas que nos deixaram muito cedo  

 

O carioca Olney Cazarré e o pernambucano Carlos Leite são dois exemplos de atores e comediantes que brilharam na nossa TV nos anos 70 e 80 e que nos deixaram muito cedo, em pleno exercício da profissão.

Olney Cazarré veio de uma família de atores. Era filho da atriz Déa Silva, nome importante do cinema mudo nacional e do ator Darcy Cazarré, além de irmão do ator Older Cazarré. Começou a carreira logo aos 3 anos de idade participando do filme “Mãe”, realizado por Adhemar Gonzaga em 1948.

Já o pernambucano Carlos Leite veio ainda jovem para o Rio de Janeiro tentar a carreira profissional certo de que tinha talento para fazer televisão e cinema. E começou a carreira em 1970 atuando em programas humorísticos da TV Globo.

Com uma voz muito versátil, Olney Cazarré se tornou também um dublador de sucesso, além de participar como ator de novelas e como comediante de programas de humor na TV Globo. A primeira novela foi “Meu Rico Português” na TV Tupi em 1975, vivendo um dos sobrinhos da rica Dona Veridiana, Wagner, um desocupado que não trabalhava e nem estudava.

Em seguida, Olney Cazarré marcou presença também nas novelas “Os Apóstolos de Judas” na Tupi em 1976 e “Feijão Maravilha” na TV Globo em 1977. E a partir de 1980 passou a integrar a linha de humorísticos da TV Globo.

Ao mesmo tempo, Carlos Leite se integrava ao quadro de humoristas da TV Globo onde participou dos programas “Balança, Mas Não Cai”; “Chico City”; “Faça Humor, Não Faça a Guerra”, “Satiricom” e “O Planeta dos Homens”.

Nessa época ele criou o personagem Beleza, que apesar de muito feio, fazia sucesso com as mulheres, além de também se destacar como o Adolfo que fazia par com a atriz Zezé Macedo em “Chico City’ e o Mauro Maurício que criou especialmente para “A Praça é Nossa”.

Olney Cazarré se destacou na dublagem de personagens muito conhecidos dos desenhos como o Pica-Pau; o Coelho Ricochete; o Tom do “Tom e Jerry” e o Teco de “Tico e Teco”, entre muitos outros, além de duplas seriados e comédias americanas para a TV.

Na linha de humor da TV Globo atuou nos programas “Chico Anysio Show”, entre 1982 e 1984, onde viveu João Bacurinha, mesmo personagem que ele levaria posteriormente para a “Escolinha do Professor Raimundo” em 1990.

Carlos Leite por sua vez participou de algumas pornochanchadas na década de 70, entre elas “Ainda Agarro Essa Vizinha” e “Manicures a Domicílio’, e na década de 80 se transferiu para a TV Bandeirantes para fazer “Praça Brasil”  e depois foi para o SBT onde participou de “A Praça é Nossa”, criando mais um personagem inesquecível, o Metaleiro Kelé.

Olney Cazarré faleceu em janeiro de 1991, com apenas 46 anos de idade, no Rio de Janeiro, devido a graves problemas cardíacos.

Já Carlos Leite nos deixou dois meses depois, em março de 1991, em São Paulo, no Hospital Emilio Ribas, aos 51 anos de idade, vitimado pelo vírus da AIDS.

1 Carlos Leite e Adriana Prieto em cena de "Ainda Agarro Essa Vizinha" de 1974

Carlos Leite nasceu em Recife mas fez sua carreira no Rio e em São Paulo

3  Leite em cena do filme "Manicures a Domicilio" de 1977

4 Carlos Leite e seu parsonagem mais famoso, o Beleza, em 1976

5 Olney e seu personagem mais conhecido, o João Bacurinha da Escolinha na TV Globo

6 Olney em cena da novela "Feijão Maravilha" na TV Globo em 1979

7 Olney Cazarré começou na TV na novela "Meu Rico Portugues" na TV Tupi

8 Olney Cazarre ao lado de Dina Lisboa e Flamineo Fávero em "Meu Rico Portugues"

 

 

 

 

 

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.