Segunda-Feira | 7 de Novembro de 2016 | 18h53

Operação ÍONS

Na última semana a Polícia Federal, deflagrou a Operação ÍONS contra um esquema de desvio de produtos químicos do comércio formal para o tráfico de drogas, em Ribeirão Preto/SP e região.

O jornalista e apresentador Rodrigo Pagliani e o jornalista Zacarias Pagnanelli estiveram com o delegado de polícia de Ribeiraõ Preto, Lindinalvo de Almeida Filho que contou detalhes sobre o caso.

 Estão sendo cumpridos onze mandados de prisão temporária, vinte e cinco mandados de busca e apreensão e quatorze mandados de condução coercitiva nas cidades de Ribeirão Preto, Batatais, Brodowski e Guariba, todos expedidos pela 2ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Ribeirão Preto.

A investigação teve início em outubro de 2015, após fiscalização feita pela Comissão de Controle de Produtos Químicos da PF em uma das empresas investigadas.  A análise feita pela PF detectou erros grosseiros e lançamentos inconsistentes e/ou fictícios nos mapas de controle de produtos químicos que devem ser informados mensalmente à Polícia Federal, o que comprovou o desvio ilegal de centenas de quilos (ou litros) de produtos químicos controlados.

No decorrer das investigações foram presas em flagrante delito três pessoas na posse de insumos químicos que seriam destinados à preparação de drogas, bem como foi descoberto um laboratório clandestino que fabricava um produto denominado “bomba” (solução etílica de ácido clorídrico), empregado unicamente na transformação da pasta base de cocaína em cloridrato de cocaína (pó). Restou apurado que os insumos apreendidos foram fornecidos pelas empresas investigadas.

Verificou-se que a principal empresa fiscalizada atuava de forma colaborativa com outras três empresas (todas regularmente constituídas) na distribuição reiterada de produtos químicos controlados para narcotraficantes na região de Ribeirão Preto.

Considerando o perfil químico da COCAÍNA que é comercializada no (que possui em sua composição química o fármaco CAFEÍNA para adquirir volume, fato conhecido como “batismo”), estima-se que apenas uma das empresas investigadas tenha fornecido referido insumo químico para o “batismo” de mais de dez toneladas de COCAÍNA, no período de três anos em que está em atividade.

Os investigados serão indiciados pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas, com penas que, se somadas, podem chegar a vinte e cinco anos de reclusão.
 

Fonte: Comunicação Social da Polícia Federal em Ribeirão Preto/SP

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.