Segunda-Feira | 31 de Outubro de 2016 | 17h16

ETERNA MEMÓRIA - BRÁULIO PEDROSO

 (30/04/1931 – 15/08/1990)

 

O criador de personagens como Beto Rockfeller

 

Bráulio Nuno de Almeida Pedroso nasceu na capital paulista, mas sua grande produção como autor e roteirista aconteceu na cidade do Rio de Janeiro, a partir da década de 70.

Ele estreou como autor em 1965 com a peça “A Conspiração”, encenada por Cacilda Becker. Um ano depois ele escreveu “O Fardão”, produzida por Antonio Abujamra.

Com “O Fardão” ele ganhou os prêmios Molière e da Associação Paulista de Críticos Teatrais (APCT) de melhor autor. Em 1967, escreveu em parceria com o ator Walmor Chagas o espetáculo ‘Isso Devia Ser Proibido”.

Na televisão, Bráulio Pedroso foi o responsável por um dos maiores sucessos da TV Tupi na década de 60: a novela “Beto Rockfeller”, de 1968, e que consagrou o ator Luiz Gustavo e a atriz Bete Mendes. Ainda na emissora paulista ele escreveu “Super Plá” em 1970.

Já no cinema, na década de 70, ele escreveu os roteiros de filmes como: “Beto Rockfeller”, “Roberto Carlos a 300 km por Hora”, “Os Machões” e “Roleta Russa, o Jogo da Vida”.

O sucesso de “Beto Rockfeller” transformou Bráulio Pedroso em um dos mais respeitados novelistas e o levou para a TV Globo em 1971 onde escreveu o sucesso “O Cafona” e depois a irreverente “O Bofe”. Voltou para a TV Tupi em 1973 para escrever “A Volta de Beto Rockfeller”, que não repetiu o êxito da primeira versão.

Ainda no teatro, Bráulio Pedroso escreveu a revista musical “A Vida Escrachada de Baby Stompanato e Joana Martini” para o talento de Marília Pera e Hélio Souto; “As Hienas”;Encontro no Bar”; “Feira do Adultério”; “Festa de Sábado”; “Dor de Amor”; “As Gralhas”; “Lola Moreno” e “Nicolau”.

Voltou à TV Globo em 1974 para mais um grande sucesso, a novela “O Rebu”, um marco da emissora na década de 70. E em 1978 assinou mais uma novela no horário das 22 horas, “O Pulo do Gato”. Ainda na TV Globo, Bráulio escreveu a divertida “Feijão Maravilha”, a minissérie “Parabéns Pra Você” em 1983 e os seriados “Plantão de Polícia” e “Amizade Colorida”.

Seus últimos trabalhos na televisão foram a minissérie “Tudo em Cima” e o seriado “Tamanho Família”, ambos na TV Manchete nos anos 80.

Foi casado com a atriz e diretora Marilda Pedroso com quem teve dois filhos. Bráulio morreu em agosto de 1990, com apenas 59 anos de idade, em sua casa no Rio de Janeiro, após uma queda no banheiro da residência por fratura nas vértebras cervicais. 

Foto 1 - Bráulio Pedroso começou escrevendo para o teatro

Foto 2 - A novela Beto Rockfeller revelou o talento de Bráulio Pedroso para a TV

Foto  3 - O Cafona, sucesso na TV Globo, marcou a estreia do autor na emissora carioca

Foto 4 - Bráulio escreveu também várias peças de teatro e roteiros para cinema

Foto 5 - O Rebu foi outro grande sucesso escrito por Bráulio para a TV Globo

Foto 6 - Feijão Maravilha foi outra novela de Bráulio na Globo, agora em 1979

Foto 7 - Bráulio Pedroso faleceu em 1990 vitimado por uma queda em sua casa

 

 

 

 

 

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.