Terça-Feira | 16 de Agosto de 2016 | 10h6

Indústria para linha de produção para educar funcionários em segurança viária

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Texto: André Garcia // Fotos: Diego Boreli Razera, vulgo Cipó

No último 11 de agosto André Garcia esteve em Matão na Antoniosi, gigante na fabricação de transbordos agrícolas, líder mundial no segmento.

Além do orgulho em ser convidado a participar do VI Sipat – Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho, foi notar o engajamento na empresa, desde seu fundador Sr. Adélio, passando pelo Gerente de RH Sr. Donizete Gomes em parar toda linha de produção e administração por duas horas para os funcionários receberem um pouco de instrução que semeia a cultura de segurança viária e de duas rodas, levando o condutor de motocicleta e automóvel a fazer uma reflexão sobre a vida.

Depois de realizar a frenagem e mostrar o quanto se ganha de espaço usando corretamente os freios, dicas da postura adequada na motocicleta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que o exemplo seja seguido por outras empresas, todavia, é sempre tortuoso o caminho junto com a equipe de Segurança do Trabalho a mostrar e convencer o staff da importância daquele tempo investido em educação para não perder o colaborador por um período maior por afastamento devido acidente de trabalho.

Como sempre menciono nas palestras, se Deus deu inteligência ao Homem para conduzir aviões, navios, trens, caminhões, automóveis e motocicletas, a responsabilidade do resultado dessa condução é do Homem e não de Deus.

Aula de ponto cego demonstra a importância do ajuste correto dos retrovisores para diminuir o ponto cego

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Portanto, parar a linha de produção por uma ou duas horas não é prejuízo, mas um investimento no ser humano, afinal, vários sãos os fatores do incidente de trânsito, sim, incidentes, porque acidente é quando se fez todo necessário para evita-lo e o que vemos não é a prevenção, mas assumir o risco. E a culpa não é só do motociclista, basta lembrarmos que nos EUA o MSF- Motorcycle Safety Foudation afirma que 55% dos acidentes entre automóveis e motocicletas a culpa é do motorista e na Espanha em 2009 contatou-se que 70% ou em cada 10 acidentes, 7 a culpa era do motorista do automóvel.

Assumir o risco em falar no celular, assumir o risco em usar película escura, mesmo sabendo que nada enxergara com clima de chuva ou no período da noite, pilotar a motocicleta em velocidade incompatível, realizar manobras arriscadas e totalmente descabidas.

Participação total dos funcionários e do Comando da Policia Militar da cidade, cobertura da mídia local

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assim, com o lema “Não há razão quando se ganha uma lesão”, André Garcia leva os motociclistas a refletir sobre a necessidade de prevenir sempre, pilotar por ele e pelos outros, afinal de nada adianta ter razão se levar a pior e ganhar uma lesão, afinal é o mais fraco no trânsito. Por outro lado, leva o motorista a também refletir sobre o que não fazer: por isso as aulas de frenagem e de ponto cego, que mostra a necessidade do ajuste correto do retrovisor, além da palestra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Juntos vamos mudar o cenário do trânsito brasileiro.   

Sobre o Projeto Motociclismo com Segurança, click aqui.

O evento teve apoio de ABRACICLO, Kawasaki, Concessionária KT5 Ribeirão Preto, Riffel, Cartão de Visita/R7, Casa Fernandes, RG2 Sistemas, SoftFort, SafeWork

Mais fotos do evento: https://goo.gl/photos/CTGZWRaiJWXevMfP7 

Assista matéria da TV Matão: https://youtu.be/FkoMUACoJsM

 

André Garcia usa e recomenda equipamentos da Riffel:

 

 

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.