Quinta-Feira | 12 de Maio de 2016 | 19h46

Quem é o cantor?

Por Cau Marques 

Boa semana amigos da música! A célebre frase do título, tirada do pensador e político contemporâneo, Tiririca reflete um pouco da realidade da ocupação mais bajulada dentro do contexto musical.

Sempre que vemos uma banda, o vocalista é o centro das atenções, salvo algumas raras exceções como AC/DC e Van Halen. Porém, mesmo para estas bandas citadas, somente os fãs mais interessados é que sabiam que os donos da bola não eram os cantores.

Voltando a frase do nosso filósofo, “quem é o cantor?”, traduz o pensamento de uma classe da qual faço parte e que nos últimos anos perdeu muito do seu critério. Talvez pelas notas de um karaokê, talvez por que seja algo que não requer uma formação educacional, talvez por que qualquer um acha que é, ou sei lá... parece que no Brasil todo mundo quer ser apenas 3 coisas: cantor, Jogador de futebol ou artista de novela.

A popularização do canto trouxe muita coisa legal e nova para a cena musical que já estava meio cansada, mas a qualidade é inquestionavelmente inferior. Nos anos 80 isso já tinha ocorrido com a grande quantidade de bandas de Rock nacional e no meio das feras, começou a aparecer um monte de coisa ruim e, por fim tudo ruiu.

Se nos anos 80, 90 em que pra se gravar um disco e, posteriormente um CD, era caríssimo e trabalhoso, imagina como estamos hoje em dia que qualquer pessoa, grava qualquer coisa e lança de qualquer jeito? Pois é, entramos na era do desafino, mesmo com tantos recursos pra se tratar a afinação de uma gravação. O pior de tudo isso é que, com a mídia correta, esses cantores estão tirando de cena quem realmente tem a competência vocal para isso.

Toda vez que ouço um novo nome na música, vou correndo para ouvir, na esperança do surgimento de um novo “Jessé”, mas estamos na moda da voz do Falcão ( ...e não estou falando do Falcão do Rappa, que seria bom) e toda voz que ouço parece que vai cantar uma nova versão de I´m not a dog no.  Se tudo fosse apenas uma questão de timbre ainda vá lá, mas eu acredito mais na fala do meu amigo Luigi Visacre (Luigi & Leandro) : “ Hoje em dia, afinação é questão de gosto”.

A boa notícia é que tem muita, gente boa por aí, perdida nos bares e baladas, honrando a classe dos músicos e cantores . A dica que fica é: Se você canta bem e muitas pessoas de diferentes lugares dizem isso, pode começar acreditar, mas se você canta no Karaokê , tira 99  e tem alguém como pai ou empresário por perto que acreditou nisso, pode acreditar que será um forte candidato aos novos desafinados da música brasileira.

 

 

 

 

   

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.