Sexta-Feira | 22 de Janeiro de 2016 | 23h32

Museu da Migração

Desde que voltamos da Italia estava com a ideia de correr atrás da minha cidadania italiana, meu bisnonno materno veio de lá e como minha mãe nasceu depois de janeiro de 1948 tenho direito. Apesar da empolgação acabei ficando enrolado com a correria do dia a dia e só retomei este projeto mais no final do ano passado.

O que a princípio parecia simples, montar minha árvore genealógica, virou uma aventura investigativa ao melhor estilo CSI rs (prometo que conto minha saga com mais detalhes num próximo post).

Bom, nesta caça por informações acabei descobrindo um lugar incrivelmente interessante aqui em São Paulo, o Museu da Imigração.

Confesso que a princípio não tinha nenhum interesse além de conseguir qualquer dado que ajudasse no meu projeto, mas chegando lá fiquei apaixonado pelo lugar e suas histórias principalmente depois de saber que meu bisavô havia ficado lá.

E sabe como eu descobri? Encontrei no acervo digital do museu o registro de entrada dos meus bisavós. Eles tem tudo digitalizado e bem organizado. Se você ficou curioso sobre seus antepassados dê uma espiada no arquivo deles aqui.

Imagem do acervo digital, o registro de entrada dos imigrantes na hospedaria

Fiquei tão encantado que depois desta primeira visita CSI já estive lá mais duas ou três vezes. Mas de todas as idas a mais divertida foi esta última que levei minha filha Clara.

Todo ano quando ela vem passar as férias aqui fazemos um calendário intenso de atividades e passeios. A ideia é explorar tudo o que São Paulo tem de legal (e olha que tem coisas!). Como agora estou super envolvido com o processo da cidadania o primeiro passeio não podia ser outro.

Fomos ao Museu no domingo de manhã, íamos fazer o passeio de Maria Fumaçasim existe uma ainda em operação aqui em São Paulo, que sai ali em frente, e depois visitar o acervo mas como o primeiro estava fechado por manutenção fomos direto pra visitação.

Jardim do Museu e a parede com os inúmeros sobrenomes, passamos um bom tempo procurando e achamos!

O prédio era a antiga hospedaria onde os imigrantes ficavam antes de seguirem para as fazendas e cidades onde iriam em busca de um recomeço. A viagem era bastante dura e cara e muitos chegavam ali completamente sem dinheiro e muitas vezes apenas com uma troca de roupas.

No museu tem uma ala interativa onde é possível ver o depoimento de imigrantes e descendentes, histórias engraçadas, tristes, curiosas e emocionantes. Para quem está buscando suas raízes, não tem como não se emocionar.

Andando por lá é possível ter uma ideia de como era o cotidiano deste lugar e também entender um pouco sobre quão corajosos/loucos foram nossos antepassados.

Muitas histórias, despedidas e novos começos…

O passeio é uma viagem no tempo, quase como entrar num livro sobre a história de várias famílias, cidades, da construção do país e principalmente de São Paulo.

Fomos, curtimos muito e recomendamos. É um passeio divertido, interessantíssimo e cheio de emoção. Se estiver com a criançada em casa a toa, tire umas horinhas e vá pra lá, tenho certeza que vai aproveitar muito. A Clara curtiu um montão e ainda aprendeu muita coisa sobre suas origens!

Bom, depois de tanta história fechamos o passeio numa tradicionalíssima cantina italiana da Mooca, a San Marco

Porque depois de tanto falar de Italia merecíamos una bella pasta!

Mangia che te fa bene …

Ah uma dica aos sábados a entrada no Museu é gratuita.

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.