Sexta-Feira | 28 de Agosto de 2015 | 15h48

Início da série de Viagens

Pra começar minha jornada de sabores e causos mundo afora, a primeira parada será na charmosa e gastronômica Istambul na Turquia. Cidade onde tive a oportunidade de conhecer um pouco de uma cozinha riquíssima com uma enorme diversidade de especiarias, confesso que este foi o início do meu amor pelo mundo dos temperos.

Istambul, apesar de não ser a capital (a capital é Ancara), é sem dúvida a cidade mais importante do país. Além de linda, cheia belíssimos monumentos históricos (Mesquita Hagia Sophia, Palácio Topkapi, Cisternas de Yerebatan e a estátua da Meduza, o Gran Bazar, etc, etc) é interessantíssima por sua importância histórica e estratégica fundamental no desenvolvimento das rotas mercantis entre Ásia e Europa que contribuíram para o desenvolvimento do então chamado novo mundo.

Istambul

Em sentido horário: Bandeira turca no Palácio Topkapi, por dentro da magnífica mesquita Hagia Sophia, uma das pontes que cruza da Asia para Europa e as cisternas de Yerebatan

Imaginem como é estranho atravessar uma das pontes que cruzam o estreito de Bósforo e ir do continente Asiático para o Europeu! Estas pontes na verdade não dividem apenas uma cidade elas dividem dois mundos, embora os turistas mais distraídos não notem a diferença cultural e social é de fato muito grande.

Como gosto de entender melhor estas coisas andei conversando com alguns turcos e um bom exemplo que me deram foi a diferença no custo das casas/terrenos, no lado europeu da cidade o valor do imóvel chega a ser mais que o dobro que uma propriedade similar no lado asiático. No quesito bares e restaurantes os mais famosos também são do lado europeu, mas os mais típicos e curiosos sem dúvida estão do lado da Ásia.

No geral a culinária turca tem bastante similaridade com a nossa, eles comem muitos legumes e verduras, vários tipos de arroz, grãos e carnes em geral (exceto de porco, por questão religiosa, 99% da população é muçulmana) e aqui faço um adento especial para a carne de carneiro, que por lá é SENSACIONAL. Como tiveram bastante influência árabe

também é normal ter à mesa coalhada seca, Baba ghanoush, homus acompanhados sempre de muitos, mas muitos tipos de temperos, condimentos, molhos. E uma coisa que comi lá e não esqueço jamais, o pistache iraniano. Aff que saudades! 

Bom, como não sou uma pessoa muito convencional (e sou um explorador gastronômico rs) sempre peço aos meus anfitriões para me levarem a lugares que eles frequentam pois só acredito que é assim que a gente conhece e experimenta hábitos e comidas típicas do dia-a-dia. Sabe aquela história de levar gringo na churrascaria aqui no Brasil? Então, eu não queria me sentir gringo o tempo todo e pedia para comer o famoso PF local. Claro que isso acaba sendo uma aventura que algumas vezes funcionava bem com interessantes e deliciosas surpresas, mas que de vez em quando caia em menus no mínimo diferente como este inesquecível jantar turco. Mas não posso reclamar, afinal de contas fui eu quem pedi rs

Vamos ao menu:

Entrada: Sopa de bucho de vaca

Acompanhamento: Khubz (pão) e suco de beterrabas orgânicas

Principal: Kebab de carneiro com coalhada fresca e tabule

Acompanhamentos: Khubz adi (pão tipo sírio) e Baba ghanoush (pasta de berinjela)

Sobremesa: não lembro direito o nome mas era um doce com fios de ovos recheados com avelãs frescas, tâmaras e uma calda de mel.

De cara, a sopa de bucho de vaca. Putz! Realmente só por dinheiro pra comer isso! Tá certo que você mistura um molho de alho com um vinagre feito de romãs e um pouco de limão siciliano pra disfarçar o sabor, mas realmente isso não é para qualquer um. Sei que muita gente que gosta de buchada de bode ou vaca, mas essa iguaria não é meu prato predileto. O sabor é muito forte, com odores ácidos e até um pouco fecais. A textura é macia mas um pouco nojenta, desculpem a sinceridade.

Depois da difícil entrada fui para o refrigerante de Beterraba, sim é isso mesmo! Vale lembrar que eu havia pedido para ir num local típico então tinha que fazer cara de que estava tudo bem (tudo pelo meu contracheque). Meu guia (Ozhan) quis melhorar a situação e me disse que era uma bebida orgânica super saudável e etc, etc … Tá, bebi o negócio e sério parecia um vinagre de beterraba, acho que uma das coisas mais estranhas que já bebi. O gosto é bem ácido, um pouco suave se você comparar com nosso vinagre de vinho ou maça, mas tinha sabor de terra e beterraba. Isso é só para quem tem coragem. Não aconselho.

Bom após um início “trash” Deus (Allah, na Turquia) tinha de ouvir minhas preces e me mandar alguma coisa comível e eis que surge uma das delícias do oriente: Kebab de carneiro….uhmmm dá água na boca. Basicamente, é um churrasquinho de carneiro feito com ervas finas e um molho que mistura “nuts” (avelã, amendoim, castanhas), açafrão, coentro e outras especiarias que deixam a carne deliciosamente macia e saborosa. Eles misturam isso com a coalhada seca, tabule e Baba ghanoush e enrolam em um pão parecido com o pão tipo sírio que comemos no Brasil. O resultado é um enroladinho extremamente saboroso, nutritivo e com baixo valor calórico. Ufa almoço salvo pelo Kebab!

Jantar turco 2

Menu do jantar: cerveja Efes, a dupla do “terror” sopa de bucho e o refrigerante de beterraba e a salvação acompanhamentos do kebab e o docinho da sobremesa.

Pra fechar com chave de ouro uma surpresa, mas bem agradável um docinho estilo árabe, com fios de ovos, avelãs e tâmaras servido com queijo tipo cottage seco uma delícia!!

Como desisti do refrigerante de beterraba, para acompanhar a comilança optei pela cerveja turca mais famosa, a EFES beer. Ela é bem parecida com as cervejas Pilsen Tchecas com malte bem presente e corpo muito saboroso, um pouco amarga e forte (5.5% GL), pensando nas nossas cervejas a EFES têm um sabor parecido com a Serramalte. Gostei bem!

Outra deliciosa e inesquecível surpresa em Istambul foi a melhor torta de chocolate de toda a minha vida, sério! Em um pequeno café chamado J’adore Chocolatier Café (facebook.com/J’Adore Chocolatier Cafe) que fica em uma viela escondida no centro da cidade, provei esta torta que foi um verdadeiro “orgasmo gastronômico”. Feita com chocolate belga aerado, um leve toque de licor de cacau, cobertura de chocolate com avelã e raspas de chocolate branco por cima, realmente fantástica! Confesso que não sou um chocólatra mas essa torta ainda vai ficar na minha mente por muito tempo (isso foi em 2011 e eu ainda lembro do cheiro e da textura do chocolate!!!)

a melhor torta de chocolate do mundo

A melhor torta de chocolate da minha vida, salve a J’adore Chocolatier!

Uma coisa que me recordo dos meus tempos de executivo de empresa era que sempre que retornava ao escritório, ouvia sempre os mesmos comentários: Nossa, só viaja hein!

Que vida boa essa sua! E coisas do tipo! Quero ver encarar uma buchada com suco de beterraba pra honrar os anfitriões-cliente e contra-cheques…..rs

Até a próxima!

Mauro Oliveira

Mauro

 
comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.