Quinta-Feira | 16 de Julho de 2015 | 14h25

DICAS PARA ESCOLHER, SERVIR E CURTIR SEU VINHO

1. Não encha a taça

Cada bebida tem características especificas e claro, formas adequadas de servir.

O vinho deve ser sempre servido em taça e ela nunca deve ser completamente cheia.

A forma correta é colocar o vinho até a parte mais larga do bojo, o que no geral é um pouco antes do meio (mais ou menos 1/3 do bojo).

Pode parecer bobagem mas está proporção permite que você possa girar a taça, o que ajuda a liberar os aromas do vinho, sem perigo de acidentes, curtindo assim o máximo da sua bebida.

taças com vinho 2 (Copy)

2. Taça de vinho se segura pela haste ou pela base

Embora vejamos em alguns filmes as pessoas segurando taças pelo bojo, a forma correta é segura-la pela haste e/ou pela base.

Não é frescura. Servir o vinho em taça (além da questão dos aromas) foi pensado para que você possa segurar sua bebida sem que sua mão tenha contato direto, isso porque nossa temperatura corpórea normal é alta e quando seguramos a taça pelo bojo acabamos por aquecer o vinho.

E se você quer fazer bonito, pegar a taça pelo bojo pode arruinar seus planos.

3. Não se compra vinho por um belo rótulo

Sabe aquela velha máxima ‘Não julgue um livro pela capa’ é isso vale e muito para os vinhos.

Rótulos simples, as vezes até feinhos podem estar em garrafas de ótimos vinhos. Tivemos uma experiência assim quando fomos para a Itália. Numa das fazendas produtoras que fomos ganhamos uma caixa com vinhos feitos da uva Barbera. Um deles tinha um rótulo muito pobrinho, nada atrativo e achamos a priori que este vinho não seria lá grandes coisas. Erramos feio, o vinho era delicioso! Jovem, vigoroso, fresco, frutado e muito aromático. Lição aprendida na prática.

4. Experimente e explore

Ter uma região, um estilo ou até mesmo rótulos de preferência é legal. Mas beber sempre estas únicas opções não.

Há uma infinidade (mais de 6 milhões) de opções de vinhos pelo mundo. Diante disto porque ficar tão restrito?

Boa parte do divertimento do vinho é ter este imenso universo a ser explorado. Se aventurar por tipos, uvas e regiões diferentes pode te levar a fazer descobertas interessantes e deliciosas, além de te ajudar a conhecer um pouco mais sobre a cultura das inúmeras regiões vinícolas.

vinhos argentinos, vinhos brasileiros, vinhos italianos

Experimente diferentes rótulos e estilos, aventure-se.

5. Antes de partir para os vinhos caros, desenvolva seu paladar.

Como quase tudo na vida, o mais caro não necessariamente é o melhor. Esta máxima por vezes funciona mas não pode ser regra principalmente quando falamos de vinhos. O preço de um vinho é influenciado por diversos fatores que não têm necessariamente a ver com qualidade.

Fora que, se você decidiu optar por um vinho mais caro, existe uma outra questão bastante importante que deve ser considerada. Vinhos mais caros costumam ser mais complexos e pedem um paladar mais desenvolvido para degusta-los. O paladar mais aguçado e preparado é algo que você vai adquirir através de estudos e de experimentações. Então, para não ficar frustrado e até subestimar um bom vinho, invista primeiro no desenvolvimento do seu paladar, para depois investir e curtir os vinhos mais caros.

6. Pesquise antes de comprar

Você não precisa ser sommelier, enólogo ou super entendido para fazer uma boa compra de vinho. Basta antes de comprar, pesquisar.

Neste sentido a internet pode ser uma aliada, desde que usada com cautela e de maneira adequada. Busque informações em sites confiáveis, minha dica é sempre buscar em sites de grandes importadoras, das marcas mais conhecidas, associações e etc.

Algumas fontes que costumo consultar:

www.revistaadega.uol.com.br

www.artwine.com.br

www.wine.com.br

www.decanter.com.br

www.mistral.com.br 

www.domcastilho.com.br

www.sonoma.com.br

Você ainda pode usar aplicativos como o Vivino, Delectable Wines, Wines Spectator ou comprar em lojas que ofereçam o serviço de sommelier (hoje você encontra estes profissionais até mesmo em supermercado), eles ficam à disposição para esclarecer dúvidas, fazer indicações e até dar dicas de harmonização.

Vinho tinto com lanche vegetariano

Vinho com sanduíche de cogumelos, zucchini, berinjela, tomate e queijo.

7. Não seja o louco por regras (harmonização)

Existem muitas regras e dicas para fazer harmonização de vinhos com comidas e é legal conhecer um pouco e tentar fazer suas combinações usando estas diretrizes, mas não faça disso uma prisão.

Já dizia o ditado regras existem também para serem quebradas, então ouse. Tente novas harmonizações, novas situações ou esqueça tudo e beba o vinho que estiver afim.

Mais importante do que fazer uma combinação perfeita é você se divertir.

Tati Basilio

comentar

últimos comentarios

Seja o primeiro a comentar, complete o formulário ao lado e dê sua opinião.